sicnot

Perfil

Mundo

Sobem de tom protestos contra candidato presidencial filipino após "piada" sobre violação

O candidato presidencial filipino Rodrigo Duterte está a enfrentar uma "tempestade" de protestos, depois da publicação de um vídeo no qual faz uma "piada" sobre uma vítima de violação que foi assassinada.

reuters

No vídeo, vê-se Duterte e alguns apoiantes a falar sobre o caso da violação de uma mulher, por colegas da prisão, em 1989, quando ele era presidente da Câmara da cidade de Davao.

Duterte diz que a missionária era tão bonita que o "presidente da câmara devia ter sido o primeiro".

Um comentário que reflete a "falta de ajustamento à presidência" e a "falta de respeito pelas mulheres" do candidato, de acordo com o porta-voz do Presidente, Benigno Aquino.

O rival vice-presidente Jejomar Binay classifica os comentários de "revoltantes".

Já a Human Roghts Watch diz que os comentários "foram um apoio nojento da violência sexual", pelo que Duterte deveria ser fortemente condenado.

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46