sicnot

Perfil

Mundo

China censura vídeos de Papi, a famosa internauta que ironiza com vida quotidiana

A censura chinesa eliminou os vídeos difundidos na Internet pela conhecida internauta Papi Jiang, que nos últimos meses se converteu numa sensação devido aos monólogos em que ironiza com a vida quotidiana no país.

Papi Jiang, conhecida intternauta viu os seus vídeos retirados da Internet pela censura chinesa

Papi Jiang, conhecida intternauta viu os seus vídeos retirados da Internet pela censura chinesa

A Administração Estatal de Imprensa, Publicações, Rádio, Cinema e Televisão, um organismo do Governo chinês, ordenou a retirada dos vídeos, que tinham no conjunto mais de 100 milhões de visualizações.

"Requer-se ao programa que exclua linguagem repugnante e conteúdo vulgar antes de poder regressar à rede", afirmou o organismo encarregado da censura, através de um comunicado citado pela agência oficial Xinhua.

Papi Jiang, o pseudónimo usado por Jiang Yilei, uma mulher de 29 anos natural de Xangai e formada pela Academia Central de Teatro de Pequim, tornou-se nos últimos meses famosa entre os internautas chineses.

Através de uma linguagem direta e mordaz, Jiang, que inicia os seus monólogos com a frase "Sou Papi Jiang, uma mulher que combina beleza e talento", difundiu vídeos onde descreve várias situações do quotidiano em jeito de crítica social.

A internauta, uma 'sheng nu' ("encalhadas") - termo que na China designa as mulheres solteiras com cerca de 30 anos - ironiza com o excessivo consumismo no país, as pressões familiares para que as jovens casem e até as tradições do Ano Novo Lunar.

Os vídeos são difundidos através do Youku, o equivalente chinês ao Youtube, e das redes sociais Weibo e Wechat, utilizadas por centenas de milhões de chineses.

Num dos registos, a internauta faz uma imitação velada do ex-presidente chinês Jiang Zemin.

Ante a proibição, Papi Jiang pediu desculpas públicas através da sua conta no Weibo (o Twitter chinês).

"Terei mais cuidado com as minhas palavras e a minha imagem, responderei decididamente a todas as petições de retificações dos meus vídeos e transmitirei energia positiva", assinalou.

Yang Ming, empresário e sócio de Jiang, assinalou em declarações à imprensa chinesa que a sua colega "continuará a difundir vídeos de acordo com os valores socialistas".

Desde que ascendeu ao poder, em 2012, o Presidente chinês Xi Jinping apelou em várias ocasiões aos agentes culturais para que obedeçam aos "valores socialistas" nas suas criações.

A mensagem traduziu-se num reforço da censura para níveis não vistos desde há várias décadas.

Nos últimos meses, as séries de televisão foram proibidas de incluir personagens homossexuais e vários jornalistas e editores de órgãos de comunicação chineses foram despedidos ou censurados por criticar decisões do Governo, mesmo que de forma subtil.

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.