sicnot

Perfil

Mundo

Mês de março foi o mais quente de sempre, desde que há registos

O mês de março foi considerado como o mais quente da história moderna, revelaram esta terça-feira meteorologistas norte-americanos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Segundo o relatório da Administração do Oceano e da Atmosfera dos Estados Unidos da América (NOOA, na sigla em inglês), março foi também o 11.º mês consecutivo durante o qual a média global bateu um recorde de temperatura, sendo o mais longo período de máximos sucessivos em 137 anos.

De acordo com o documento, a temperatura média global registada em terra e em oceanos em março de 2016 foi "a mais alta para o mês de março segundo o conjunto de dados da temperatura global da NOOA", que tem registos desde 1880".

A temperatura média mundial ficou 1,22º graus centígrados acima da média do século XX, que foi de 12,7º graus, segundo o mesmo relatório.

"Este valor ultrapassa em 0,32º graus o recorde anterior, registado em 2015", acrescentou a NOOA.

A instituição esclareceu que a diferença registada constitui o valor mais elevado relativamente à média dos 1.635 meses medidos desde que começaram a ser feitos registos.

Estes últimos recordes de temperatura demonstram que o aumento do aquecimento global prossegue. A temperatura ultrapassou, de longe, o anterior valor máximo atingido em 2015, que já tinha superado por sua vez 2014.

Trata-se, segundo os meteorologistas de um fenómeno atribuído à acumulação de gases com efeito de estufa que provêm do uso de petróleo e carvão.

Desde 1997, o primeiro ano desde 1880 a bater recordes de temperatura no planeta, apenas dois anos daquele período não foram mais quentes, acrescentou a NOOA.

Os dirigentes mundiais concordaram por unanimidade em dezembro passado, durante a Conferência do Clima da ONU (COP21), que tinham de tomar medidas para conter o aumento da temperatura, para não ser superior em 2º graus aos valores do período antes da Revolução Industrial.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.