sicnot

Perfil

Mundo

Mês de março foi o mais quente de sempre, desde que há registos

O mês de março foi considerado como o mais quente da história moderna, revelaram esta terça-feira meteorologistas norte-americanos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Segundo o relatório da Administração do Oceano e da Atmosfera dos Estados Unidos da América (NOOA, na sigla em inglês), março foi também o 11.º mês consecutivo durante o qual a média global bateu um recorde de temperatura, sendo o mais longo período de máximos sucessivos em 137 anos.

De acordo com o documento, a temperatura média global registada em terra e em oceanos em março de 2016 foi "a mais alta para o mês de março segundo o conjunto de dados da temperatura global da NOOA", que tem registos desde 1880".

A temperatura média mundial ficou 1,22º graus centígrados acima da média do século XX, que foi de 12,7º graus, segundo o mesmo relatório.

"Este valor ultrapassa em 0,32º graus o recorde anterior, registado em 2015", acrescentou a NOOA.

A instituição esclareceu que a diferença registada constitui o valor mais elevado relativamente à média dos 1.635 meses medidos desde que começaram a ser feitos registos.

Estes últimos recordes de temperatura demonstram que o aumento do aquecimento global prossegue. A temperatura ultrapassou, de longe, o anterior valor máximo atingido em 2015, que já tinha superado por sua vez 2014.

Trata-se, segundo os meteorologistas de um fenómeno atribuído à acumulação de gases com efeito de estufa que provêm do uso de petróleo e carvão.

Desde 1997, o primeiro ano desde 1880 a bater recordes de temperatura no planeta, apenas dois anos daquele período não foram mais quentes, acrescentou a NOOA.

Os dirigentes mundiais concordaram por unanimidade em dezembro passado, durante a Conferência do Clima da ONU (COP21), que tinham de tomar medidas para conter o aumento da temperatura, para não ser superior em 2º graus aos valores do período antes da Revolução Industrial.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24