sicnot

Perfil

Mundo

Mês de março foi o mais quente de sempre, desde que há registos

O mês de março foi considerado como o mais quente da história moderna, revelaram esta terça-feira meteorologistas norte-americanos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Segundo o relatório da Administração do Oceano e da Atmosfera dos Estados Unidos da América (NOOA, na sigla em inglês), março foi também o 11.º mês consecutivo durante o qual a média global bateu um recorde de temperatura, sendo o mais longo período de máximos sucessivos em 137 anos.

De acordo com o documento, a temperatura média global registada em terra e em oceanos em março de 2016 foi "a mais alta para o mês de março segundo o conjunto de dados da temperatura global da NOOA", que tem registos desde 1880".

A temperatura média mundial ficou 1,22º graus centígrados acima da média do século XX, que foi de 12,7º graus, segundo o mesmo relatório.

"Este valor ultrapassa em 0,32º graus o recorde anterior, registado em 2015", acrescentou a NOOA.

A instituição esclareceu que a diferença registada constitui o valor mais elevado relativamente à média dos 1.635 meses medidos desde que começaram a ser feitos registos.

Estes últimos recordes de temperatura demonstram que o aumento do aquecimento global prossegue. A temperatura ultrapassou, de longe, o anterior valor máximo atingido em 2015, que já tinha superado por sua vez 2014.

Trata-se, segundo os meteorologistas de um fenómeno atribuído à acumulação de gases com efeito de estufa que provêm do uso de petróleo e carvão.

Desde 1997, o primeiro ano desde 1880 a bater recordes de temperatura no planeta, apenas dois anos daquele período não foram mais quentes, acrescentou a NOOA.

Os dirigentes mundiais concordaram por unanimidade em dezembro passado, durante a Conferência do Clima da ONU (COP21), que tinham de tomar medidas para conter o aumento da temperatura, para não ser superior em 2º graus aos valores do período antes da Revolução Industrial.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC