sicnot

Perfil

Mundo

NATO assegura que não está a preparar novas operações na Líbia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, assegurou hoje que a organização não está a preparar novas operações de combate na Líbia e está disposta a apoiar as instituições de defesa do novo governo de unidade nacional.

REUTERS

"Não estamos a planear nenhuma nova operação de combate na Líbia", disse Stoltenberg à imprensa, à chegada ao conselho de ministros da Defesa da União Europeia (UE), no qual participa como convidado.

"Temos um mandato dos líderes da Aliança para estarmos preparados para apoiar o novo governo líbio de unidade nacional", acrescentou, precisando que estão a ser avaliadas áreas "importantes para uma Líbia mais estável" como o reforço de capacidades e a reforma das instituições de Defesa.

Qualquer apoio, precisou, "só será dado a pedido do governo de unidade nacional", que ainda não foi legitimado internamente, mas que conta com o reconhecimento da comunidade internacional.

A Líbia vive uma situação de caos devido à guerra civil que se seguiu à revolução de 2011, em que Muammar Kadhafi foi deposto com o apoio da NATO.

Ao conflito político protagonizado por dois governos - um em Tobruk (leste), reconhecido pela comunidade internacional, e outro em Tripoli, apoiado por milícias tribais -, juntou-se a entrada em território líbio do grupo extremista Estado Islâmico.

O governo de unidade nacional, fruto de negociações mediadas pela ONU, autoproclamou-se em funções a 12 de março, com o apoio de uma centena de deputados, do banco central e da companhia petrolífera líbia, mas precisa de um voto de confiança do parlamento de Tobruk.

A ONU e a UE esperam que a entrada em funções do governo de unidade permita impedir o grupo 'jihadista' de usar a Líbia como base de retaguarda e, por outro lado, controlar a partida de embarcações de migrantes com destino à Europa.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.