sicnot

Perfil

Mundo

Obama viaja para Riade durante polémica sobre as vítimas do 11 de setembro

O Presidente norte-americano partiu hoje para Riade, durante uma polémica sobre a sua rejeição de um diploma para que as vítimas dos ataques do 11 de setembro possam processar o Governo da Arábia Saudita pelo ataque terrorista.

© Kevin Lamarque / Reuters

Barack Obama, justificou a sua oposição ao projeto de lei, em entrevista à estação de televisão CBS divulgada hoje, explicando que não se trata apenas de uma "questão bilateral" com a Arábia Saudita, mas das "interações dos EUA" com todos os países do mundo.

"Se abrirmos a possibilidade de que os indivíduos e os Estados Unidos possam começar a processar rotineiramente outros governos, então também tornamos mais fácil a possibilidade de os Estados Unidos serem continuamente processados por pessoas de outros países", disse Obama.

O projeto de lei em questão, chamado Lei de Justiça contra Estados patrocinadores do terrorismo, permitiria que as famílias das vítimas dos ataques do 11 de setembro e de outros atentados possam responsabilizar as nações suspeitas de terem apoiado esses ataques.

Nos ataques de 11 de setembro de 2001 morreram cerca de 3.000 pessoas e 15 dos 19 terroristas envolvidos eram de origem saudita.

O Governo da Arábia Saudita ameaçou tomar medidas económicas se o país enfrentar alguma acusação formal por apoiar o terrorismo, como resultado do projeto de lei que está a ser debatido no Congresso dos EUA e que Obama prometeu vetar.

Enquanto isso, os dois candidatos à indicação presidencial democrata para a eleição de novembro, a ex-secretária de Estado, Hillary Clinton e o senador Bernie Sandres, manifestaram apoio ao projeto de Lei.

Obama vai aterrar dia 20 de abril em Riade, capital da Arábia Saudita, onde se reunirá com o rei saudita Salman bin Abdulaziz, e participar, no dia 21 na cúpula do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), numa Cimeira que conta com os líderes do CCG (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Catar, Omã e Bahrein).

Segundo disse hoje o porta-voz da Casa Branca na conferência de imprensa diária, os aliados norte-americanos têm "diferenças significativas" sobre várias questões, que Obama espera resolver durante a sua visita a Riade.

Lusa

  • Trump confunde 11 de setembro com nome de cadeia de lojas de conveniência
    0:26

    Mundo

    Apesar das análises que dizem que a campanha de Donald Trump está mais contida por causa dos desentendimentos que o candidato tem tido com o partido republicano, certo é que as declarações do milionário continuam a surpreender. Desta vez, Trump enganou-se na data do atentado ao World Trade Center. Em vez de 11 de Setembro (nine/eleven), disse 11 de julho (seven/eleven), que nos Estados Unidos é o nome de uma cadeia de lojas de conveniência.(segue clip)

  • Casos de aviões sequestrados
    2:33

    Mundo

    Apesar das fortes medidas de segurança adotadas nos aeroportos após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, os piratas do ar continuam a encontrar formas de levar a cabo o sequestro de aviões. Eis alguns casos de aviões que foram desviados.

  • Obama prevê que Daesh perca Mossul "no final do ano"
    0:29

    Daesh

    Barack Obama prevê que o Daesh perca Mossul, o principal bastião que tem no Iraque, no final do ano. Em entrevista à estação televisiva CBS, o Presidente dos Estados Unidos reafirmou a estratégia norte-americana na luta contra o terrorismo, mediante o apoio e treino de forças locais, ao invés de presença militar.