sicnot

Perfil

Mundo

Equador adota medidas para obter fundos para reconstruir zonas afetadas pelo sismo

O Governo do Equador vai adotar "medidas excecionais" para obter fundos para fazer face ao estado de emergência provocado pelo sismo de sábado, que atingiu a costa do norte do país e provocou centenas de mortos.

© Guillermo Granja / Reuters

O Presidente do Equador, Rafael Correa, assegurou que a reconstrução das zonas afetadas, algumas com 85% das infraestruturas destruídas, requer milhões de dólares.

Segundo Rafael Correa, que aguarda um levantamento definitivo dos danos, podem ser necessário cerca de três mil milhões de dólares.

O chefe de Estado disse que vai ter que tomar "medidas temporárias devido à dimensão dos danos e ao gasto inesperado", porque um sismo como o de sábado "afetaria até o país mais rico do mundo".

O Presidente referiu que está a analisar a "possibilidade de colocar títulos no mercado internacional" e que a Assembleia Nacional está a analisar uma reforma tributária.

"Vamos ter de tomar medidas excecionais para gerar fundos e dar resposta à emergência", sublinhou.

O chefe de Estado informou também que há linhas de contingência do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Banco Mundial e do Banco de Desenvolvimento da América Latina, que já disponibilizaram 600 milhões de dólares.

O Presidente disse também que a "melhor" solidariedade internacional é a dos turistas que visitam o Equador, agradecendo toda a ajuda que tem recebido.

"O turismo não pode ser afetado, o sismo teve um impacto muito focalizado, o resto das praias estão iguais e belas como sempre", acrescentou.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18