sicnot

Perfil

Mundo

"Gostos" na página de coronel condenado por tortura no Brasil disparam após homenagem de deputado

A homenagem feita pelo deputado Jair Bolsonaro ao coronel Brilhante Ustra durante votação que levou à destituição de Dilma Rousseff fez disparar a popularidade do primeiro militar brasileiro condenado por tortura. A página do Facebook de Ulstra disparou 3.300%.

Página do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra no Facebook

Página do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra no Facebook

Conta a BBC Brasil que, no Facebook, a página de Ulstra, alegadamente alimentada por apoiantes, ganhou quase 3 mil "gostos" nas últimas 72 horas. Um crescimento de mais de 3.300%.

Agora a página já conta mais de 41.737 "gostos".

Antes do discurso do deputado Jair Bolsonaro, o número de seguidores mantinha-se inalterado.

Entretanto, conta a BBC, mais quatro páginas foram criadas, nesta rede social, para homenagear o torturador.

Recorde-se que o Coronel Ulstra, entre 1970 e 1974 esteve à frente do DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna). Durante esse período cerca de 50 pessoas foram assassinadas ou desapareceram e 500 foram torturadas.

Discurso de Jair Bolsonaro na Câmara de Deputados quando se votava a destituição da Presidente:
"Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim."


Reacção de Dilma Rousseff às palavras de Bolsonaro, esta terça-feira:
"Fui presa nos anos 1970. De fato, eu conheci bem esse senhor a que ele se referiu. Foi um dos maiores torturadores do Brasil, contra ele recai não só a acusação de tortura, mas também de mortes", disse. "É terrível ver alguém votando em homenagem ao maior torturador que o Brasil conheceu."

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.