sicnot

Perfil

Mundo

Uma em cada cinco crianças está excluída da vacinação de rotina, alerta OMS

Quase um quinto das crianças em todo o mundo está excluída da vacinação de rotina para doenças evitáveis como a difteria, a tosse convulsa ou o tétano, alertou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Vacinação contra a poliomielite em Sanaa, Iémen.

Vacinação contra a poliomielite em Sanaa, Iémen.

© Khaled Abdullah / Reuters

Para assinalar a Semana Mundial da Imunização, que decorre entre 24 e 30 de abril, a OMS emitiu um comunicado em que sublinha os recentes avanços na vacinação, mas também aponta o caminho a seguir para se alcançarem os objetivos definidos para 2020.

Apesar de evitar entre dois e três milhões de mortes todos os anos, a imunização poderia salvar mais 1,5 milhões de vidas, se a cobertura vacinal aumentasse.

Atualmente, estima-se que 18,7 milhões de crianças em todo o mundo, ou seja uma em cada cinco, estejam de fora da imunização de rotina para doenças evitáveis como a difteria, a tosse convulsa ou o tétano.

Citada no documento, a diretora-geral da organização, Margaret Chan, disse que no ano passado a imunização levou a alguns ganhos notáveis na luta contra a poliomielite, a rubéola e o tétano materno e neonatal.

"Mas foram ganhos isolados. A poliomielite foi eliminada num país, o tétano em três e a rubéola numa região geográfica. O desafio agora é tornar ganhos como estes a norma", afirmou.

Em 2015, a região das Américas tornou-se a primeira a eliminar a rubéola, uma doença viral que causa defeitos congénitos múltiplos e morte fetal quando contraída na gravidez; a Nigéria erradicou a poliomielite, deixando apenas o Afeganistão e e Paquistão na lista dos países onde a doença é endémica; e a Índia juntou-se ao Camboja, à Mauritânia e a Madagáscar na eliminação do tétano materno e neonatal.

Além disso, recorda a OMS, ao fim de cinco anos da introdução de uma vacina acessível para a meningite A, mais de 230 milhões de pessoas foram vacinadas, permitindo o controlo e a quase eliminação da doença na 'cintura da meningite' de África, que se estende entre o Senegal e a Etiópia.

"Embora o mundo tenha visto algumas conquistas na imunização, a cobertura global da vacinação estagnou nos últimos anos", disse por seu lado a diretora-geral-adjunta da OMS para a saúde da Família, das Mulheres e das Crianças e vice-diretora do Gavi (aliança para a vacinação).

Para Flavia Bustreon, "demasiadas oportunidades para alcançar crianças por vacinar e fechar a falha na imunização ainda são perdidas todos os dias".

A OMS apela por isso aos países que alcancem as crianças excluídas dos sistemas de vacinação de rotina, especialmente nos Estados, distritos ou áreas com coberturas vacinais inferiores a 80% ou em países afetados por conflitos ou emergências.

Mais de 60% das crianças por vacinar vivem em dez países: República Democrática do Congo, Etiópia, Índia, Indonésia, Iraque, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Uganda e África do Sul.

O Plano Global de Ação para a Vacinação, aprovado pelos 194 Estados-Membros da OMS em 2012, visa um mundo onde todas as pessoas estejam protegidas contra doenças evitáveis através de vacinas em 2020.

Dos seis objetivos provisórios definidos para 2015, apenas um foi alcançado: a introdução de vacinas novas ou subutilizadas.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.