sicnot

Perfil

Mundo

Dilma diz na ONU que Brasil é um grande país que saberá impedir quaisquer retrocessos

Dilma diz na ONU que Brasil é um grande país que saberá impedir quaisquer retrocessos

A Presidente do Brasil disse hoje na sede da ONU em Nova Iorque que o Brasil é um grande país, que soube vencer o autoritarismo e que saberá impedir quaisquer retrocessos. No final do discurso que proferiu na cerimónia de assinatura do Acordo de Paris, Dilma Roussef agradeceu ainda a todos os líderes que lhe expressaram solidariedade.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, após falar sobre o acordo climático, disse que não poderia terminar o seu discurso "sem comentar o grave momento que vive o Brasil".

"A despeito disso, quero dizer que o Brasil é um grande país, com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. Nosso povo é um povo trabalhador, e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir quaisquer retrocessos", afirmou a Presidente.

A Presidente agradeceu ainda "a todos os líderes que expressaram sua solidariedade".

Depois de aprovado na Câmara dos Deputados (367 votos a favor e 137 contra), no passado domingo, o processo de 'impeachment' (destituição) de Dilma Rousseff está no Senado, que agora terá de votar pela continuidade ou não do processo de destituição da Presidente.

Se for aprovado no Senado, Dilma Rousseff será temporariamente afastada do cargo para o processo de destituição ter seguimento e o seu vice-Presidente assumirá o cargo. Posteriormente, o Senado votará novamente para decidir se afasta de vez ou não a Presidente.

São necessários dois terços dos senadores (54) nesta última fase do processo, para aprovação do 'impeachment'.

Na noite desta quinta-feira, Dilma Rousseff foi recebida em Nova Iorque por cerca de 40 manifestantes, que se reuniram em frente à casa do embaixador do Brasil na ONU, Antônio Patriota, numa manifestação contra o 'impeachment'.

Relativamente à intervenção de hoje, Dilma Rousseff falou mais de sete minutos, quase o dobro de tempo recomendado pela organização.

A maior parte do discurso foi dedicada ao Acordo de Paris, que a Presidente classificou como "um marco histórico na construção do mundo que queremos, com um desenvolvimento sustentável".

Dilma Rousseff disse ter "orgulho" do papel de seu Governo para a adoção do Acordo de Paris e assumiu o compromisso de "assegurar sua pronta entrada em vigor".

Segundo a ONU, 171 países indicaram que assinarão hoje o Acordo de Paris, adotado em dezembro de 2015. Será o maior apoio já demonstrado a um pacto na ONU. O recorde anterior havia sido estabelecido no Tratado do Mar, em 1982, com a assinatura de 119 países.

O Acordo de Paris entrará em vigor quando houver a ratificação de pelo menos 55 países, que representem 55% das emissões globais de gases poluentes. Os demais países (a ONU tem 193 membros) terão até 17 de abril para assinar o pacto do clima.

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quatro detenções confirmadas. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Autoridades acreditam que suspeito do ataque nas Ramblas pertence a célula terrorista
    1:36
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55