sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 4700 mortos em 19 meses por bombardeamentos na Síria

Mais de 4.700 pessoas, a maioria jihadistas, morreram na Síria devido aos bombardeamentos da coligação internacional, que começaram há 19 meses, segundo dados divulgados hoje pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Entre os 4.742 mortos, pelo menos 391 eram civis e destes 99 eram menores de idade e 67 mulheres.

As vítimas pereceram, na maioria nas províncias de Al Hasaka, Al Raqa, Alepo e Idleb, e em Deir al Zur.

O Observatório, cuja sede se encontra em Londres e tem uma ampla rede de ativistas na Síria, indicou que 64 civis morreram numa única operação da coligação na noite de 30 de abril de 2015 em Bir Mahali, no norte da província de Alepo.

Estes números contrastam com os divulgados na sexta-feira pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que dirige a coligação e que admitiu ter matado 20 civis em vários ataques aéreos no Iraque e na Síria, entre setembro e fevereiro passados.

Esses dados elevariam para 41 o balanço total de vítimas mortais civis em ambos os países, segundo Washington, desde o início da campanha militar contra o Daesh.

Por sua vez, a página de internet Airwars, que rastreia e compila dados dos bombardeamentos da coligação no Iraque e na Síria, estima que os civis mortos nos dois países são sejam mais de 1.100.

Quanto às baixas nas fileiras do Daesh, o Observatório indicou que nestes 19 meses de bombardeamentos morreram 4.195 membros do grupo extremista.

A maioria era de nacionalidade estrangeira. Entre estes combatentes figuram dezenas de líderes do grupo terrorista, como o comandante militar Abu Omar al Shishani.

Os bombardeamentos causaram também a morte a, pelo menos, 136 combatentes da Frente al Nusra, filiar da Al Qaeda na Síria, e a dez combatentes do grupo islamita Yaish al Suna.

O Observatório crê que o número de mortos nas fileiras dos grupos extremistas é superior à anunciada, devido ao apagão informativo imposto pelos jihadistas sobre as baixas nas suas formações.

A coligação liderada pelos EUA e formada por mais de 60 países começou a bombardear as sedes do Daesh alguns meses depois de o grupo proclamar em junho de 2014 um califado nas vastas zonas sob seu controlo na Síria e no Iraque.

Com Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.