sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 4700 mortos em 19 meses por bombardeamentos na Síria

Mais de 4.700 pessoas, a maioria jihadistas, morreram na Síria devido aos bombardeamentos da coligação internacional, que começaram há 19 meses, segundo dados divulgados hoje pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Entre os 4.742 mortos, pelo menos 391 eram civis e destes 99 eram menores de idade e 67 mulheres.

As vítimas pereceram, na maioria nas províncias de Al Hasaka, Al Raqa, Alepo e Idleb, e em Deir al Zur.

O Observatório, cuja sede se encontra em Londres e tem uma ampla rede de ativistas na Síria, indicou que 64 civis morreram numa única operação da coligação na noite de 30 de abril de 2015 em Bir Mahali, no norte da província de Alepo.

Estes números contrastam com os divulgados na sexta-feira pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que dirige a coligação e que admitiu ter matado 20 civis em vários ataques aéreos no Iraque e na Síria, entre setembro e fevereiro passados.

Esses dados elevariam para 41 o balanço total de vítimas mortais civis em ambos os países, segundo Washington, desde o início da campanha militar contra o Daesh.

Por sua vez, a página de internet Airwars, que rastreia e compila dados dos bombardeamentos da coligação no Iraque e na Síria, estima que os civis mortos nos dois países são sejam mais de 1.100.

Quanto às baixas nas fileiras do Daesh, o Observatório indicou que nestes 19 meses de bombardeamentos morreram 4.195 membros do grupo extremista.

A maioria era de nacionalidade estrangeira. Entre estes combatentes figuram dezenas de líderes do grupo terrorista, como o comandante militar Abu Omar al Shishani.

Os bombardeamentos causaram também a morte a, pelo menos, 136 combatentes da Frente al Nusra, filiar da Al Qaeda na Síria, e a dez combatentes do grupo islamita Yaish al Suna.

O Observatório crê que o número de mortos nas fileiras dos grupos extremistas é superior à anunciada, devido ao apagão informativo imposto pelos jihadistas sobre as baixas nas suas formações.

A coligação liderada pelos EUA e formada por mais de 60 países começou a bombardear as sedes do Daesh alguns meses depois de o grupo proclamar em junho de 2014 um califado nas vastas zonas sob seu controlo na Síria e no Iraque.

Com Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.