sicnot

Perfil

Mundo

Supremo Tribunal venezuelano rejeita pretensão da oposição em reduzir mandato de Maduro

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) rejeitou esta segunda-feira a pretensão da oposição em rever a Constituição para diminuir o mandato do Presidente Nicolás Maduro, tendo classificado a iniciativa como "uma fraude".

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo a decisão do STJ, uma eventual modificação da Constituição não poderia ser aplicada no atual mandato, somente em futuros exercício dos cargo presidencial.

"Tratar de utilizar a figura da revisão constitucional para reduzir de maneira imediata o exercício de um cargo de eleição popular como o do Presidente da República, constitui, à evidência, uma fraude à Constituição, que prevê um mecanismo político efetivo para tal fim, tal como é o exercício de um referendo revogatório, contemplado na Carga Magna", afirma a sentença.

O STJ sublinha que segundo o Código Civil venezuelano "as leis não têm efeito retroativo" e que "nenhuma disposição jurídica, seja de que hierarquia for, pode ter efeitos retroativos".

O presidente do parlamento, Henry Ramos Allup, já reagiu à sentença e acusou o STJ de "já nem esperar a aprovação das leis, para as declarar inconstitucionais, sem conhecer o texto definitivo".

Noutra decisão, também divulgada hoje, o STJ ordenou à Assembleia Nacional (AN), que consulte o Executivo sobre a viabilidade económica das leis que prevê aprovar, antes de legislar sobre elas.

O documento, divulgado hoje mas com data de 22 de abril, explica que foram tidas em "consideração as limitações financeiras do país, o nível prudente da dimensão da economia e a condição de excecionalidade económica decretada pelo Executivo".

Na sua sentença, o STJ suspende temporariamente vários artigos do Regulamento Interior e de Debates da Assembleia Nacional da Venezuela, com base num pedido feito pela oposição venezuelana em 2011, quando o parlamento venezuelano era maioritariamente controlado por forças afetas ao regime venezuelano.

A oposição, que desde as eleições parlamentares de dezembro de 2015 detém a maioria no parlamento, acusa o STJ de pretender bloquear e condicionar os trabalhos parlamentares.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.