sicnot

Perfil

Mundo

Como sentimos dor volta a ser um mistério

Um novo estudo vem questionar a teoria sobre a forma como sentimos a dor. Qual é a parte do cérebro onde é gerada a sensação de dor voltou a ficar envolta em mistério.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

Cientistas britânicos do University College de Londres (UCL) e da Universidade de Reading quiseram investigar a natureza da "matriz da dor", um padrão específico de atividade cerebral que tem sido considerado como um indicador fiável da sensação de dor.

Em estudos anteriores com recurso a imagiologia, o cérebro das pessoas submetidas à dor "iluminava-se" exatamente no mesmo local - o que deu então origem à teoria da "matriz da dor".

Este novo estudo, agora publicado na revista JAMA Neurology, vem questionar essa certeza.

Os cientistas recrutaram duas pessoas com uma doença rara que faz com que não sintam dor, bem como outros quatro voluntários saudáveis, todos praticamente com a mesma idade.

Todos os seis participantes foram submetidos à mesma dolorosa picada de alfinete enquanto os cérebros eram monitorizados por ressonância magnética. O estranho é que mesmo as pessoas que não sentem dor tinham a mesma atividade cerebral que as outras, colocando a questão se a "matriz da dor" representa realmente a sensação de dor.

"Estes resultados sugerem que este padrão não é realmente uma 'resposta à dor', mas uma resposta ao estímulo independentemente de a pessoa sentir dor", disse Tim Salomons um dos autores do estudo, ao jornal Independent.

Esta investigação pode ter vindo provar que a teoria estava errada, mas não esclarece como de facto sentimos a dor.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.