sicnot

Perfil

Mundo

Como sentimos dor volta a ser um mistério

Um novo estudo vem questionar a teoria sobre a forma como sentimos a dor. Qual é a parte do cérebro onde é gerada a sensação de dor voltou a ficar envolta em mistério.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

Cientistas britânicos do University College de Londres (UCL) e da Universidade de Reading quiseram investigar a natureza da "matriz da dor", um padrão específico de atividade cerebral que tem sido considerado como um indicador fiável da sensação de dor.

Em estudos anteriores com recurso a imagiologia, o cérebro das pessoas submetidas à dor "iluminava-se" exatamente no mesmo local - o que deu então origem à teoria da "matriz da dor".

Este novo estudo, agora publicado na revista JAMA Neurology, vem questionar essa certeza.

Os cientistas recrutaram duas pessoas com uma doença rara que faz com que não sintam dor, bem como outros quatro voluntários saudáveis, todos praticamente com a mesma idade.

Todos os seis participantes foram submetidos à mesma dolorosa picada de alfinete enquanto os cérebros eram monitorizados por ressonância magnética. O estranho é que mesmo as pessoas que não sentem dor tinham a mesma atividade cerebral que as outras, colocando a questão se a "matriz da dor" representa realmente a sensação de dor.

"Estes resultados sugerem que este padrão não é realmente uma 'resposta à dor', mas uma resposta ao estímulo independentemente de a pessoa sentir dor", disse Tim Salomons um dos autores do estudo, ao jornal Independent.

Esta investigação pode ter vindo provar que a teoria estava errada, mas não esclarece como de facto sentimos a dor.

  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • Há mesmo um carro voador pousado no meio de Paris

    Dito assim, exageramos a importância da coisa, porque de facto estamos a falar de um protótipo que, inteiro, nunca voou. Dito assim, diminui a importância de termos ali mesmo à nossa frente um seríssimo protótipo de carro voador feito em colaboração pela Italdesign e pela Airbus a grande companhia construtora de aviões na Europa, desde o ano passado também com a colaboração da Audi. Faltava aqui um grande construtor de automóveis capaz de acrescentar o seu conhecimento.

    Lourenço Medeiros