sicnot

Perfil

Mundo

Unicef alerta que sismo no Equador deixou 120 mil crianças sem escola

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou hoje que o sismo que atingiu o Equador, no dia 16 de abril, destruiu 280 escolas e deixou 120.000 crianças sem acesso a educação.

A Unicef está a dar apoio ao Governo do Equador para que os alunos das zonas mais afetadas, cerca de 20.000, possam ter aulas em tendas.

A agência da ONU calculou que são necessários mais de 23 milhões de dólares (20,3 milhões de euros) para fazer frente às necessidades das crianças, incluindo fornecimento de água potável, saneamento, educação, saúde e proteção para os próximos meses.

"A escola é um salva-vidas para as crianças que passaram pelo trauma e destruição", afirmou o representante da Unicef no Equador, Grant Leaity, salientando que cria uma rotina diária e um sentido de futuro para a sua recuperação psicológica.

O coordenador humanitário da ONU no Equador, Diego Zorrilla, disse hoje que se trata do maior desastre na região desde o sismo no Haiti, em 2010.

O sismo de 16 de abril no Equador provocou 655 mortos, 41 desaparecidos e milhares de feridos e desalojados.

A ONU espera conseguir 72,7 milhões de dólares (64,3 milhões de euros) de ajuda internacional para ajudar 350 mil pessoas durante os próximos três meses.

Lusa

  • Dez milhões para offshores provocam picardia entre Costa e Passos
    0:36

    Economia

    O primeiro-ministro disse esta quarta-feira que é "escandaloso" que um Governo que foi tão implacável com as famílias em impostos e multas, tenha tido depois "tranquilidade" em relação a dez mil milhões de euros que fugiram do país para offshores. Pedro Passos Coelho não gostou e deu resposta, mesmo já sem tempo para outra intervenção.

  • Alemanha aprova projeto-lei que permite aceder a telemóveis de migrantes
    1:52
  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.