sicnot

Perfil

Mundo

Unicef alerta que sismo no Equador deixou 120 mil crianças sem escola

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou hoje que o sismo que atingiu o Equador, no dia 16 de abril, destruiu 280 escolas e deixou 120.000 crianças sem acesso a educação.

A Unicef está a dar apoio ao Governo do Equador para que os alunos das zonas mais afetadas, cerca de 20.000, possam ter aulas em tendas.

A agência da ONU calculou que são necessários mais de 23 milhões de dólares (20,3 milhões de euros) para fazer frente às necessidades das crianças, incluindo fornecimento de água potável, saneamento, educação, saúde e proteção para os próximos meses.

"A escola é um salva-vidas para as crianças que passaram pelo trauma e destruição", afirmou o representante da Unicef no Equador, Grant Leaity, salientando que cria uma rotina diária e um sentido de futuro para a sua recuperação psicológica.

O coordenador humanitário da ONU no Equador, Diego Zorrilla, disse hoje que se trata do maior desastre na região desde o sismo no Haiti, em 2010.

O sismo de 16 de abril no Equador provocou 655 mortos, 41 desaparecidos e milhares de feridos e desalojados.

A ONU espera conseguir 72,7 milhões de dólares (64,3 milhões de euros) de ajuda internacional para ajudar 350 mil pessoas durante os próximos três meses.

Lusa

  • MIT quer humanos a ajudar máquinas a decidir (quem morre)

    Mundo

    A "Máquina Moral" é uma plataforma online que recolhe a perspetiva humana em decisões que terão de ser tomadas por uma máquina. Por exemplo, quando um carro sem condutor se depara com o dilema do mal menor: em quem acertar - para evitar outros - num acidente de viação.

  • Daesh transforma drones em bombardeiros 

    Daesh

    As estratégias de combate do Daesh têm vindo a sofrer alterações, bem como a capacidade das forças militares iraquianas para confrontar e derrotar o inimigo. De acordo com o responsável do Exército dos EUA Brett Sylvia, comandante militar no Iraque, a tática mais recente desenvolvida pelo Daesh consiste em usar drones de uso comercial em pequenos bombardeiros, capazes de transportar e lançar granadas.