sicnot

Perfil

Mundo

Um surpreendente "efeito secundário" de se ter muitos amigos

A amizade tem um número considerável de benefícios para a saúde, está estudado. Uma nova investigação vem agora acrescentar um surpreendente "efeito secundário" de se ter muitos amigos: quanto mais amigos, menos a dor é dolorosa.

© Victor Ruiz / Reuters

Os investigadores suspeitavam que as endorfinas são as responsáveis para esta correlação. "As endorfinas têm um papel tanto na dor como no prazer", explica Katerina Johnson, uma das autoras do estudo publicado na Scientific Report da revista Nature.

Quando fazemos exercício físico, o organismo liberta endorfinas - substâncias químicas que têm um poder de alívio da dor, como faz a morfina. Há a teoria de que a amizade também essa capacidade - ao ser estabelecida uma relação afetiva o cérebro dá a "recompensa" de um bem estar fornecido pelas endorfinas libertadas.

Numa experiência com 100 voluntários, cada um falou primeiro das suas relações de amizade - o circulo mais próximo com quem contactam semanalmente e os amigos que contactam mensalmente. Os participantes foram depois desafiados a agacharem-se contra uma parede com as pernas num ângulo de 90º - e aguentarem o mais tempo que conseguissem.

Aqueles que tinham mais amigos ficaram mais tempo. Os investigadores calculam que tenham uma maior tolerância à dor por terem mais endorfinas.

Outra das observações interessantes foi perceber que as pessoas que estavam em melhor forma física ou mais stressadas tinham menos amigos mas aguentarm bastante tempo contra a parede - produzem as endorfinas de outra forma, sem ser através dos amigos.

Os investigadores acreditam que estas conclusões poderão ajudar na compreensão da ligação entre endorfinas e doenças mentais como a depressão, que acaba por desencadear um comportamento anti-social.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC