sicnot

Perfil

Mundo

Um surpreendente "efeito secundário" de se ter muitos amigos

A amizade tem um número considerável de benefícios para a saúde, está estudado. Uma nova investigação vem agora acrescentar um surpreendente "efeito secundário" de se ter muitos amigos: quanto mais amigos, menos a dor é dolorosa.

© Victor Ruiz / Reuters

Os investigadores suspeitavam que as endorfinas são as responsáveis para esta correlação. "As endorfinas têm um papel tanto na dor como no prazer", explica Katerina Johnson, uma das autoras do estudo publicado na Scientific Report da revista Nature.

Quando fazemos exercício físico, o organismo liberta endorfinas - substâncias químicas que têm um poder de alívio da dor, como faz a morfina. Há a teoria de que a amizade também essa capacidade - ao ser estabelecida uma relação afetiva o cérebro dá a "recompensa" de um bem estar fornecido pelas endorfinas libertadas.

Numa experiência com 100 voluntários, cada um falou primeiro das suas relações de amizade - o circulo mais próximo com quem contactam semanalmente e os amigos que contactam mensalmente. Os participantes foram depois desafiados a agacharem-se contra uma parede com as pernas num ângulo de 90º - e aguentarem o mais tempo que conseguissem.

Aqueles que tinham mais amigos ficaram mais tempo. Os investigadores calculam que tenham uma maior tolerância à dor por terem mais endorfinas.

Outra das observações interessantes foi perceber que as pessoas que estavam em melhor forma física ou mais stressadas tinham menos amigos mas aguentarm bastante tempo contra a parede - produzem as endorfinas de outra forma, sem ser através dos amigos.

Os investigadores acreditam que estas conclusões poderão ajudar na compreensão da ligação entre endorfinas e doenças mentais como a depressão, que acaba por desencadear um comportamento anti-social.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.