sicnot

Perfil

Mundo

Empresa elétrica estatal corta a luz ao parlamento venezuelano

A empresa elétrica estatal suspendeu hoje o fornecimento elétrico ao parlamento, horas depois de o Presidente Nicolás Maduro acusar os parlamentares de sabotar a sua gestão e anunciar que suspenderia a luz nas horas de racionamento elétrico.

© Handout . / Reuters

A suspensão foi confirmada pelo deputado Jesus Yánez, que acusou o chefe de Estado de ter declarado a guerra ao parlamento, onde a oposição é a maioria.

"Se o ataque é contra a Assembleia Nacional, que culpa têm os setores circundantes do parlamento? Porque os próprios vizinhos que trabalham e vivem nas proximidades se têm queixado que lhes tiraram a luz", disse o deputado, aos jornalistas.

A suspensão afeta ainda a sede do Parlamento Latino-americano e a redação do diário El Impulso.

O presidente do parlamento, Henry Ramos Allup, reagiu à suspensão e anunciou que o parlamento continuará a legislar, mesmo sem serviço elétrico.

"Continuaremos a trabalhar em prol do povo venezuelano. Onde devem cortar a luz é em Miraflores [palácio presidencial] e no Supremo Tribunal de Justiça, para que não continuem a destruir a Venezuela", escreveu na sua conta do Twitter.

Segundo Henry Ramos Allup, "aquando do Presidente Guzmán Blanco não havia eletricidade nem no Palácio Federal Legislativo e o parlamento sessionava".

Militar, advogado e político, António Guzmán Blanco presidiu a Venezuela em três oportunidades, de 1870 a 1877, de 1879 a 1884 e de 1886 a 1888.

A 25 de abril passado, a Venezuela implementou um novo plano de racionamento de energia elétrica, que passa também pelo corte de fornecimento doméstico, durante quatro horas diárias, ao longo de 40 dias, na sequência da seca provocado pelo fenómeno meteorológico El Niño.

O novo plano de racionamento poderá prolongar-se até o nível da principal barragem do país (El Guri) recuperar ou até começar a época das chuvas (finais de maio).

Um dia depois, o Presidente Nicolás Maduro anunciou que a paralisação das atividades dos serviços públicos do país às quartas, quintas e sextas-feiras, durante pelo menos duas semanas, para poupar energia elétrica.

A cidade de Caracas foi excluída do novo racionamento de eletricidade, por ser a sede dos órgãos de poder públicos.

Em março, Nicolas Maduro decretou dias feriados o período entre 19 e 27 de março, coincidindo com a época da Páscoa.

Todas estas medidas visam poupar energia e água.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.