sicnot

Perfil

Mundo

Guarda de Auschwitz declara-se "sinceramente arrependido" em tribunal

Um antigo guarda do campo de concentração de Auschwitz, Reinhold Hanning, 94 anos, a ser julgado na Alemanha por cumplicidade na morte de dezenas de milhares de pessoas, falou hoje pela primeira vez para se declarar "sinceramente arrependido".

© POOL New / Reuters

"Tenho vergonha de ter deixado esta injustiça acontecer e de nada ter feito para o impedir. Estou sinceramente arrependido", declarou no tribunal de Detmold, onde está a ser julgado desde 11 de fevereiro "por cumplicidade" na morte de pelo menos 170.000 pessoas entre janeiro de 1943 e junho de 1944.

Jovem operário recrutado aos 18 anos pelas Waffen SS (força militar do partido nazi de Adolf Hitler), Hanning combateu nos Balcãs e na frente russa antes de ser transferido, no início de 1942, para Auschwitz. Colocado no campo de concentração de base Auschwitz-I, também fiscalizava a zona do cais de chegada de Birkenau (Auschwitz-II).

No 13.º dia do seu julgamento e tendo até agora mantido o silêncio, Hanning lamentou hoje ter pertencido a uma organização responsável pela morte de incontáveis famílias e inocentes, segundo declarações divulgadas pela agência alemã DPA.

Antes, os seus advogados tinham lido um texto de 23 páginas sobre a juventude e o envolvimento do seu cliente, no qual ele reconhece ter tido conhecimento dos assassínios em massa realizados em Auschwitz. O texto retrata igualmente um acusado apolítico que nada pode fazer contra a sua incorporação nas SS.

"Auschwitz foi um pesadelo. Gostaria de nunca lá ter estado", conclui o texto.

Hanning arrisca três a 15 anos de prisão.

Lusa

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47
  • Primeiro-ministro assume desafio de "reconstruir e preparar o futuro"
    3:01
  • Nova troca de acusações entre Rui Rio e Santana Lopes
    2:28

    País

    Pedro Santana Lopes disse este domingo, na apresentação do programa de candidatura, que enquanto uns descem, ele sobe o nível do debate, na corrida à liderança do PSD. Foi a resposta às críticas de Rui Rio, que o acusou de não saber o que quer e de continuar a fazer trapalhadas.