sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede mais empatia social para pacientes de doenças raras

O papa defendeu hoje mais empatia social para os pacientes de doenças raras, aos quais "muitas vezes não se dá atenção", e também mais investigação sem esquecer as questões éticas.

© Alessandro Bianchi / Reuters

Francisco intervinha numa conferência, no Vaticano, sobre medicina regenerativa e na qual participaram dezenas de peritos que - na opinião do papa - procuram terapias sem "ignorar as questões éticas, antropológicas, sociais e culturais".

"O problema da acessibilidade aos medicamentos" de quem sofre de patologias raras é complexo, por serem doentes "aos quais muitas vezes não se dá atenção suficiente por não ser evidente um retorno económico consistente nos investimentos realizados em seu favor", afirmou.

O papa sublinhou a importância "de sensibilizar" a sociedade, uma vez que "tem uma importância fundamental promover o crescimento do nível de empatia para que ninguém fique indiferente a pedidos de ajuda do próximo, quando sofre de uma doença rara".

"Sabemos que, às vezes, não é possível encontrar soluções rápidas para doenças complexas, mas sempre se pode manifestar solicitude a estas pessoas, que frequentemente se sentem abandonadas. A sensibilidade humana devia ser universal", considerou.

Jorge Bergoglio destacou também a palavra 'investigação' e pediu que se favoreça a educação e a maturidade intelectual dos estudantes "garantindo uma adequada formação humana e o máximo nível profissional".

O papa sublinhou a importância de que "neste horizonte pedagógico" sejam percorridos "caminhos interdisciplinares, reservando um notável espaço à preparação humana com fundamental referência à ética".

"A investigação, do ponto de vista académico e industrial, requer uma constante atenção às questões morais para que seja um instrumento que cura a vida e a dignidade da pessoa", declarou.

O papa exigiu ainda que seja "assegurado o acesso às curas" para estes pacientes.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42