sicnot

Perfil

Mundo

Polícia egípcia invade organização de jornalistas e detém dois repórteres

A polícia egípcia invadiu no domingo a sede de uma organização de jornalistas no centro do Cairo e deteve dois jornalistas por incitamento ao protesto, segundo fontes judiciais e o responsável pela associação.

© Mohamed Abd El Ghany / Reuter

"Foi a primeira vez que a polícia invadiu a sede da associação", disse à agência AFP Yahiya Kallash, acrescentando que os jornalistas Amr Badr e Mahmud el-Sakka foram detidos.

Uma fonte judicial disse que a dupla já tinha sido procurada pelo Ministério Público por alegadamente incitar ao protesto em violação da lei.

Amr Badr dirige o website Babawet Yanayer, que se opõe ao President Abdel Fattah al-Sisi.

Mahmud el-Sakka trabalha para a organização Saami, um nome que recorda os protestos de janeiro de 2011.

Na sexta-feira, Amr Badr tinha escrito na rede social Facebook que a polícia tinha invadido a sua casa e a de Mahmud el-Sakka.

Sakka tinha anunciado no Facebook planos para participar em abril num protesto contra a decisão do Governo de entregar à Arábia Saudita duas ilhas no Mar Vermelho.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50