sicnot

Perfil

Mundo

Obama espera que Bin Laden tenha percebido que EUA não esqueceram 11 de setembro

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, diz esperar que nos seus últimos momentos o terrorista Osama bin Laden tenha percebido que os norte-americanos não esqueceram os ataques de 11 de setembro de 2001.

Osama Bin Laden (Arquivo)

Osama Bin Laden (Arquivo)

© STR New / Reuters

Numa entrevista à CNN na segunda-feira, o Presidente dos Estados Unidos assinalou o quinto aniversário do acontecimento que muitos dizem ter sido a sua maior conquista: a morte do então líder da Al-Qaeda, no Paquistão, a 2 de maio de 2011.

"Naquele momento, espero que ele tenha percebido que os norte-americanos não se tinham esquecido das cerca de 3.000 pessoas que ele matou", disse Obama.

O Presidente falou sobre a sua decisão de prosseguir com o ataque, apesar da informação incompleta.

"Era claro para mim que aquela ia ser a nossa melhor hipótese para apanhar bin Laden. Se não avançássemos, ele poderia fugir e podiam passar-se anos até que reemergisse. Sabíamos que ia causar uma reação significativa no Paquistão, e se não se tratasse do Bin Laden, os custos teriam ultrapassado os benefícios", explicou.

"Tendo pesado tudo isso, pensei nas famílias [das vítimas] do 11 de setembro e na sua persistente dor e compreendi que era importante para nós que se fizesse justiça", afirmou.

Obama deixa a Casa Branca em janeiro de 2017, com a Al-Qaeda significativamente diminuída devido a ataques com drones e eclipsada pelo grupo Estado Islâmico.

Lusa

  • 10 feridos ligeiros em naufrágio de embarcação em Cascais

    País

    A embarcação de recreio com 10 pessoas a bordo naufragou ao largo da Parede, na linha de Cascais. Todos os tripulantes foram já resgatados pelas autoridades marítimas e bombeiros e apresentam escoriações ligeiras e sinais de hipotermia.

    Em atualização

  • A morte anunciada da ETA

    Mundo

    A organização separatista basca ETA vai anunciar a sua dissolução em 05 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayona, no País Basco francês, disseram à agência Efe fontes conhecedoras do processo.