sicnot

Perfil

Mundo

Polícia de Paris desaloja refugiados escondidos em escola abandonada

A operação da polícia francesa que desalojou hoje mais de uma centena de imigrantes que se encontravam há duas semanas no interior de uma escola abandonada no norte de Paris ficou marcada por confrontos.

Reuters

Na passada noite de 21 de abril já se tinha verificado uma intervenção das autoridades franceses, que retiraram do local mais de uma centena de refugiados, entre os quais, cidadãos do Afeganistão, Iémen, Eritreia, Somália e do Sudão que tinha estado anteriormente num acampamento ilegal, junto da linha do metropolitano, onde se encontravam acampadas mais de 1.600 pessoas.

De acordo com grupos de apoio a refugiados citados pela France Presse, na terça-feira mais de 300 pessoas encontravam-se no estabelecimento de ensino abandonado, entre as quais "muitas mulheres com crianças, duas grávidas e uma pessoa com incapacidade motora" sendo que "quase metade" foi abandonando o edifício tendo permanecido no local 150 pessoas.

A polícia utilizou gás lacrimogéneo para dispersar dezenas de manifestantes franceses que se tinham mobilizado numa ação de apoio aos refugiados.

Os ativistas formaram uma cadeia humana na tentativa de impedir a polícia de entrar na escola abandonada onde se encontravam os refugiados tendo resistido à operação da polícia.

As organizações de solidariedade para com os migrantes desconhecem o local para onde foram enviadas as 150 pessoas que ainda se encontravam na escola e recordaram que todos os locais de acolhimento de refugiados na zona da capital francesa encontram-se sobrelotados.

"Esta escola estava vazia e não servia para nada. Estas pessoas estavam melhor aqui do que na rua", disse Eric Coquerel um ativista de esquerda à France Presse logo após a operação da polícia.

Entretanto, o acampamento ilegal que se foi alastrando junto a estação de metropolitano de Stalingrad (nordeste de Paris) foi desmantelado na segunda-feira de manhã pela terceira vez em dois meses.

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.