sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia, Malásia e Filipinas reúnem-se para acordar plano contra Abu Sayyaf

Os ministros dos Negócios Estrangeiros e chefes do exército da Indonésia, Malásia e Filipinas reuniram-se hoje para acordar ações contra o grupo extremista Abu Sayyaf, responsável por vários sequestros na zona marítima partilhada pelos três países.

O Presidente indonésio, Joko Widodo (ao centro) presidiu ao encontro que juntou responsáveis da Indonésia, Malásia e Filipinas.

O Presidente indonésio, Joko Widodo (ao centro) presidiu ao encontro que juntou responsáveis da Indonésia, Malásia e Filipinas.

O encontro, que decorreu em Jacarta, na Indonésia, foi convocado pelas autoridades deste país depois do sequestro de 14 pescadores em dois incidentes em águas internacionais no mar de Jolo, onde o Abu Sayyaf estabeleceu bases em várias ilhas filipinas.

O Presidente indonésio, Joko Widodo, presidiu ao encontro em que foi abordado o estabelecimento de patrulhas navais e aéreas conjuntas nesta região marítima, segundo informa o portal indonésio Detik.

O ministro dos Assuntos de Segurança indonésio, Luhut Binsar Panjaitan, alertou dias antes que a zona do sul das Filipinas corre o risco de se converter numa nova Somália e insistiu que a proteção do comércio na zona é um assunto de prioridade máxima.

O Abu Sayyaf libertou, no passado domingo, dez dos pescadores, após o pagamento de um resgate, assegura a imprensa filipina, apesar de as autoridades indonésias o negarem.

O grupo realiza frequentes sequestros para pedir resgates com os quais se financia, incluindo de vários estrangeiros, um dos quais, o canadiano John Ridsdel, foi decapitado a 25 de abril após ter expirado o prazo para o pagamento.

Atualmente, além dos quatro pescadores indonésios, o Abu Sayyaf tem na sua posse quatro marinheiros malaios, um holandês, um canadiano e um norueguês, além de vários filipinos.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.