sicnot

Perfil

Mundo

Gays, álcool ou preservativos, nada escapa à nova censura queniana

Um beijo apaixonado num anúncio da Coca-Cola acendeu a polémica sobre a moralidade no Quénia, depois de as autoridades do país optarem por censurar os anúncios com preservativos, álcool ou com qualquer insinuação sexual.

Plano do vídeo da versão queniana da música "Same Love" censurado.

Plano do vídeo da versão queniana da música "Same Love" censurado.

YouTube

Televisão, rádio, imprensa, painéis publicitários ou internet, nada escapa à nova normativa sobre a publicidade produzida pela entidade reguladora queniana, o Kenya Film Classification Board (KFCB), que define os novos ajustes dos anúncios aos valores nacionais.

"Os anúncios não devem minar a importância da família como unidade básica da sociedade", sublinhou o diretor-geral do KFCB, Ezekiel Mutua, ao anunciar a nova e polémica regulação, que entrará em vigor em julho próximo.

Com a objetivo de "promover os valores morais nacionais", as novas diretivas determinam que os preservativos ou outros produtos anticoncecionais - que não difundam uma "mensagem de saúde pública" -, as bebidas alcoólicas, os corpos semidespidos ou a linguagem sexual passam a ser vetados em todos os anúncios entre as 5:00 e as 22:00.

O Quénia iniciou já conversações com empresas internacionais como a Google ou a Netflix, a quem deu já a conhecer as novas regras, deixando claro que quem a incumprir será processado de acordo com a lei do país.

As reações não se fizeram esperar. As redes sociais denunciaram a hipocrisia no Quénia, onde a sexualidade continua a ser um tabú, mas é quase impossível encontrar em cartaz um filme que não tenha um alto conteúdo de violência.

São também habituais nos meios locais as seções em que especialistas falam sem grandes pruridos sobre sexo, infidelidades ou problemas do casal que abanam a estrutura da família, em cuja proteção tanto se empenha o KFCB.

Alguns ironizam no Twitter, tentando adivinhar qual será a próxima surpresa do KFCB: proibir os filmes de terror porque os espectadores podem assustar-se.

"Não estamos a limitar as liberdades constitucionais. Apenas queremos garantir os valores morais da publicidade", afirma Mutua em reação às críticas.

Esta não é a primeira vez que as autoridades intervêm nos meios de comunicação para censurar cenas "ofensivas", com o pretexto de proteger o público. A cena do beijo Coca-Cola apaixonado foi eliminada do anúncio, mas pior sorte teve o vídeo da versão queniana da música "Same Love", no qual casais homossexuais pedem a igualdade contra a homofobia reinante no continente, que foi totalmente proibido.

"É tempo de novas leis, não de novas guerras (...) Compartilhamos a mesma dor e a mesma pele. Julguemos menos e amemos mais", dizia a canção, censurada pelo KFCB no Quénia e alvo de um pedido de não-divulgação ao Google para que a retire do Youtube, com o argumento de que atenta contra a legislação queniana.

Lusa