sicnot

Perfil

Mundo

Suspensão da ajuda externa vai ter um impacto "severo" em Moçambique

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que a suspensão da ajuda dos doadores a Moçambique terá um impacto "severo" e obrigará o Governo, cujos líderes têm interesses pessoais que se misturam com responsabilidades públicas, a ser mais transparente.

© Grant Neuenburg / Reuters

"A transparência orçamental é um processo politicamente conturbado em Moçambique, uma vez que os interesses empresariais dos principais políticos muitas vezes misturam-se com as suas responsabilidades públicas", escrevem os peritos da unidade de análise económica da revista britânica 'The Economist'.

Numa nota de análise sobre a suspensão das ajudas financeiras dos doadores internacionais, que representam 12% do orçamento para este ano, mais de 300 milhões de dólares, os peritos dizem que os cortes eram "inevitáveis depois de ser conhecido em abril que o Governo escondeu empréstimos que não tinham sido previamente disponibilizados ao Fundo Monetário Internacional, doadores, Parlamento e público".

O impacto a curto prazo, considera a EIU, será "severo", e o Governo deverá compensar a quebra orçamental através de empréstimos nacionais, adiamento de projetos de desenvolvimento e medidas para cortar na despesa.

"Para além do impacto orçamental, num país com um sistema de clientelismo político profundamente enraizado, e num contexto de um rápido aumento do custo de vida, o impacto negativo da austeridade nos moçambicanos também vai aumentar o risco de instabilidade política", consideram os analistas da Economist.

Os doadores, acrescenta a EIU, não deverão sair por completo do país, por causa da pobreza generalizada e dos projetos de ajuda em curso, mas para retomarem o financiamento, "o Governo vai ter de demonstrar um nível de transparência orçamental que até aqui tem sido relutante em mostrar".

Com a dívida pública "insustentável" e a economia a abrandar para valores do princípio do século, "a necessidade de ajuda externa deve convencer o Governo a cumprir com as exigências dos doadores", conclui a EIU, alertando, no entanto, que "restaurar a confiança dos doadores no Governo vai ser um processo lento".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18