sicnot

Perfil

Mundo

Equação matemática causa medo de terrorismo em aeroporto

Um voo de uma companhia norte-americana foi adiado devido a uma equação matemática. Um dos passageiros, um professor de economia, estava a fazer uma equação num caderno. A passageira do lado achou suspeito e pediu para sair do avião.

O professor italiano Guido Menzio estava a tentar resolver uma equação diferencial enquanto esperava que o voo descolasse de Filadélfia para Siracuse.

A passageira sentada a seu lado considerou a matemática suspeita e passou um bilhete a uma comissária de bordo, dizendo que estava a sentir-se doente. O avião acabou por voltar para trás.

Depois da mulher ter desembarcado, acabou por explicar a verdadeira razão de querer voltar atrás - a preocupação sobre o passageiro ao seu lado, um homem de barba que estaria a "escrevinhar" códigos num caderno.

Os agentes de segurança abordaram o professor.

"Disseram-me que uma mulher estava preocupada que eu fosse um terrorista porque estava a escrever coisas estranhas num papel", contou o macroeconomista premiado.

O professor da Universidade da Pensilvânia explicou então às autoridades que estava a resolver uma equação diferencial relacionada com uma palestra que ia dar na Queen University, no Ontário (Canadá).

Quanto à companhia aérea, justificou-se dizendo que a tripulação seguiu o protocolo de quando um passageiro está doente.

O avião acabou por descolar duas horas depois. A mulher embarcou num outro avião.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.