sicnot

Perfil

Mundo

Família de Luaty Beirão garante que ativista mantém protesto na cadeia

A mulher de Luaty Beirão garantiu hoje à Lusa que o 'rapper' luso-angolano mantém-se em protesto, semi-nu na cela, exigindo o regresso à cadeia de Viana, arredores de Luanda, sendo alimentado apenas com comida fornecida por familiares.

A Lusa noticiou hoje que o ativista, um dos 17 angolanos condenados a penas de prisão de até oito anos e meio por atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores, voltou a alimentar-se e a receber visitas no sábado, segundo informação dos Serviços Penitenciários, terminando o protesto contra a sua transferência para o Hospital-Prisão de São Paulo, na quarta-feira.

Contudo, Mónica Almeida explicou que Luaty Beirão mantém esse protesto, que inclui não aceitar comida que não seja dada em mãos por um familiar, permanecendo na sua cela, na mesma condição em que foi transportado quarta-feira e deixado. Ou seja, em 'boxers' e a dormir no chão da cela.

"Ele exige voltar para a cadeia de Viana, para as condições que tinha antes, e não quer ter qualquer tratamento de exceção. Transportaram-no em 'boxers', à frente de todos, então ele permanece em 'boxers', como o deixaram [semi-nu não pode sair da cela para se alimentar]. Ele não comia porque não recebia comida. Para receber tem de ser das nossas mãos, e como está deitado na caserna eu tenho de entrar para a entregar", explicou em entrevista à Lusa a esposa, Mónica Almeida, que visitou Luaty Beirão na cadeia de São Paulo no sábado.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.