sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan diz à UE que Turquia não recebe ordens de ninguém

O Presidente turco afirmou hoje que a Turquia "não receberá ordens de ninguém", num momento de tensão com Bruxelas sobre o acordo de acolhimento de refugiados e as exigências europeias para isentar de visto os cidadãos turcos.

© Umit Bektas / Reuters

"Impuseram-nos 72 condições para eliminar os vistos. Agora, faltam cinco e uma delas é terrível: trata-se de mudar a lei antiterrorista. Desde quando é que se viu a Turquia a receber ordens? Isso não vai acontecer", disse o chefe de Estado, Recep Tayyip Erdogan, em Ancara, num discurso proferido perante um grupo de empresários turcos.

Erdogan voltou a recriminar Bruxelas por ter permitido (em março) a instalação de "lojas terroristas", referindo-se a tendas informativas do movimento esquerdista curdo, próximo da guerrilha do Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK).

O governante recordou também que a abolição dos vistos não é um assunto recente, mas sim uma questão em negociação há anos, e que o compromisso da União Europeia (UE) era, desde há muito tempo, que a medida iria ser efetiva em outubro de 2016, se bem que nos últimos meses se tentou antecipá-la para junho.

"Espero que cumpram a palavra dada e que este assunto se conclua o mais tardar em outubro", disse o Presidente turco.

Por outro lado, Erdogan exigiu que a UE seja "mais justa" com o seu país.

"Disseram-nos que nos iam dar 3.000 milhões de euros pelos refugiados. Não nos deram nada. Vêm ver os acampamentos para refugiados, mas pedem-nos que lhes mandemos projetos. Estão a gozar connosco? Não mandaremos projetos. Nós já construímos estes acampamentos", frisou.

"É como aproveitarem-se da generosidade de uma nação. Não vamos permitir que o façam connosco", concluiu Erdogan.

A Turquia e a UE assinaram um polémico acordo prevendo a devolução de refugiados e imigrantes de cinco ilhas gregas à Turquia e o envio da mesma quantidade de sírios para a Europa de forma ordenada.

Em troca, a Turquia deve receber pelo menos 3.000 milhões de euros, que deverá investir na assistência aos mais de 2,5 milhões de refugiados, a grande maioria sírios, que já alberga.

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05