sicnot

Perfil

Mundo

Empresário Sindika Dokolo confirma compra de maior diamante encontrado em Angola

O empresário e colecionador de arte Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, confirmou que comprou, através de uma joalharia suíça que detém a 75%, o maior diamante encontrado em Angola.

Encontrado em Angola o 27.º maior diamante do mundo

Encontrado em Angola o 27.º maior diamante do mundo

Lucapa Diamond Company

"Confirmo essa informação", disse o empresário à Lusa, em Luanda, sem adiantar mais pormenores, nomeadamente os valores envolvidos no negócio da aquisição do diamante, uma pedra de 404 quilates e sete centímetros de comprimento encontrada em fevereiro por uma empresa mineira australiana no campo do Lulo, na Lunda Norte.

O diamante encontrado naquela província angolana é também o 27.º do mundo e segundo a Bloomberg a venda ao intermediário terá ascendido a 22,5 milhões. O valor pago pela joalharia De Grisogono, de Sindika Dokolo, não é conhecido.

Casado com a filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e conhecido colecionador de arte, Sindika Dokolo, comprou há cerca de quatro anos 75% da joalharia De Grisogono, através da Victoria Holding Limited (criada em 2010 numa parceria entre Dokolo e a Sodiam (Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola), por 100 milhões de dólares (87,5 milhões de euros).

As companhias de diamantes angolana Endiama (estatal) e australiana Lucapa anunciaram a 01 de março, em comunicado, a venda deste diamante.

"A pedra de 404 quilates vendeu-se por 16 milhões de dólares (14 milhões de euros ao câmbio de hoje), o que representa um espetacular preço de 39,5 dólares por quilate, um recorde para um diamante branco extraído da mina do Lulo", lê-se no comunicado da empresa australiana.

Aquando da descoberta, a Endiama anunciou que a venda contribuirá para as contas do Estado.

O projeto Lulo, localizado no município de Capenda Camulemba, ladeado pelos projetos Cacuilo e Capenda, é uma sociedade constituída por uma parceria entre a Endiama (32%), a Rosa e Pétalas (28%) e a Lucapa Diamond (40%), empresa australiana que é operadora da mina.

Depois do petróleo cujas receitas caíram para menos de metade em 2015 devido à crise da cotação do barril de crude, os diamantes são o segundo produto de exportação de Angola.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.