sicnot

Perfil

Mundo

Putin declara fim do bloqueio energético à península da Crimeia

O Presidente russo, Vladimir Putin, declarou hoje o fim do bloqueio energético à península da Crimeia, anexada por Moscovo à Ucrânia em março de 2014, ao inaugurar a quarta linha submarina para fornecer eletricidade àquele território.

© POOL New / Reuters

"Em pouco tempo, conseguimos pôr termo ao bloqueio energético da Crimeia. Além disso, não duvido de que, se for necessário, poremos fim a qualquer outro bloqueio", disse Putin, que participou na inauguração por videoconferência a partir da sua residência de Sochi, na costa do mar Negro.

Segundo o chefe de Estado, com a entrada em funcionamento da quarta linha da "ponte energética", a Crimeia poderá receber 800 megawatts de energia elétrica.

"Se se tiver em conta a produção própria, isto é suficiente, ou mesmo um pouco mais que suficiente, para o normal funcionamento" da península, disse o Presidente russo, citado pelas agências noticiosas locais.

A Crimeia ficou sem abastecimento de eletricidade a 22 de novembro de 2015, após a sabotagem de quatro linhas de alta tensão em território ucraniano por nacionalistas radicais.

Desde o princípio deste ano, após a inauguração das duas primeiras linhas da "ponte energética", a península renunciou ao fornecimento de eletricidade proveniente da Ucrânia.

"A 11 de maio, pôs-se fim, de uma vez por todas, ao bloqueio energético da Crimeia imposto pelos radicais ucranianos. Enviamos uma grande saudação aos nacionalistas do outro lado da fronteira", declarou o vice-presidente da Assembleia Legislativa da Crimeia, Andrei Kozenko.

Lusa

  • Junta de Santa Maria Maior no centro de Lisboa contra despejos de idosos
    3:02
  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.