sicnot

Perfil

Mundo

Coluna humanitária impedida de entrar na cidade sitiada de Daraya na Síria

Uma coluna de ajuda humanitária foi hoje impedida de entrar em Daraya, cidade controlada pelas forças rebeldes a sudoeste da capital síria, Damasco, que está cercada pelo exército sírio, divulgou o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR).

© Stringer . / Reuters

"Infelizmente, a nossa coluna de ajuda em colaboração com as Nações Unidas e o Crescente Vermelho Árabe Sírio (SARC, organização federada com a Cruz Vermelha) viu negada a entrada em Daraya, apesar de uma autorização prévia de todas as partes", escreveu o CICR na rede social Twitter.

"Insistimos com as autoridades responsáveis para que nos autorizem o acesso a Daraya para que possamos regressar com os alimentos e medicamentos que são desesperadamente necessários", acrescentou a organização, na mesma mensagem.

Horas antes desta publicação no Twitter, o Comité Internacional da Cruz Vermelha tinha anunciado que a cidade sitiada de Daraya ia receber a primeira ajuda humanitária em quatro anos.

"Esta é a primeira coluna humanitária para esta cidade nos subúrbios de Damasco desde que começou o cerco em novembro de 2012", disse então o porta-voz da Cruz Vermelha, Pawel Krzysiek.

Segundo a informação divulgada, cinco camiões organizados pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha, pelas Nações Unidas e pelo Crescente Vermelho Árabe Sírio ia entregar leite infantil, medicamentos e artigos escolares.

A representante do CICR na Síria, Marianne Gasser, que integrava a coluna humanitária, descreveu a recusa de acesso como trágico.

"As comunidades de Daraya têm necessidade de tudo, e é trágico que até os bens básicos que estávamos a transportar estão a ser atrasados desnecessariamente", disse a representante.

"Daraya tem sido um local de combates implacáveis durante mais de três anos e meio, e sabemos que a situação é desesperada", afirmou Marianne Gasser.

Antes do início da guerra na Síria, a população de Daraya rondava os 80 mil habitantes. Ao longo dos últimos cincos anos, a população caiu em quase 90% e as pessoas que ainda permanecem na cidade sofrem de grandes carências e de subnutrição.

As Nações Unidas afirmam que mais de 486 mil pessoas vivem em zonas sitiadas na Síria, mais de metade em áreas cercadas pelas forças do regime sírio.

O conflito sírio já matou mais de 270 mil pessoas e fez milhões de deslocados desde o seu início em março de 2011.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.