sicnot

Perfil

Mundo

George Zimmerman vai leiloar pistola com que matou Trayvon Martin

George Zimmerman, o antigo vigilante absolvido da morte do adolescente negro Trayvon Martin em 2012 na Florida, EUA, anunciou hoje que vai leiloar a pistola utilizada no dia do drama.

George Zimmerman numa audiência de julgamento a 19 de novembro de 2013.

George Zimmerman numa audiência de julgamento a 19 de novembro de 2013.

© POOL New / Reuters

A arma que matou Trayvon Martin.

A arma que matou Trayvon Martin.

© POOL New / Reuters

O caso deu origem a uma onda de protestos pelo país e ao nascimento do movimento Black Lives Matter (As vidas do negros importam).

O caso deu origem a uma onda de protestos pelo país e ao nascimento do movimento Black Lives Matter (As vidas do negros importam).

REUTERS

Num anúncio publicado num site de leilões especializado em armas, George Zimmerman descreve a pistola como "a arma utilizada para defender a (sua) vida e pôr fim à agressão brutal de Trayvon Martin".

"Uma ocasião de aquirir um pedaço da história dos Estados Unidos", acrescenta.

A pistola, Kel-Tec PF-9 9 mm, terá como base de licitação 5 mil dólares (cerca de 4400 euros) e vai hoje a leilão.

A 26 de fevereiro de 2012, George Zimmerman fazia uma ronda no seu bairro de Sanford na Florida. Alegou legítima defesa ao ter morto a tiro o jovem de 17 anos Trayvon Martin. O adolescente não estava armado e não havia testemunhas do crime.

Em julho de 2013, Zimmerman foi absolvido do crime e condenado a uma multa de 9 mil dólares, cerca de 7900 euros.

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.