sicnot

Perfil

Mundo

Mais de dez mil pessoas continuam deslocadas no Japão devido aos sismos de abril

Mais de dez mil pessoas continuam deslocadas no sudoeste do Japão por causa dos sismos registados na região há um mês, revelou hoje a agência de notícias Kyodo.

© KYODO Kyodo / Reuters

A 14 e 16 de abril, terramotos com magnitudes de 6,5 e 7,5 na escala de Richter abalaram o sudoeste do Japão, deixando 49 mortos e um desparecido. Cerca de vinte mil pessoas foram na altura retiradas dos locais onde viviam e dez mil continuam em refúgios e instalações provisórias, segundo a Kyodo.

Os dois sismos e suas 1400 réplicas provocaram danos materiais em mais de 82 mil edifícios.

O Governo japonês anunciou 778 mil milhões de ienes (cerca de 6.282 milhões de euros) para financiar a reconstrução da região.

Os sismos paralisaram durante vários dias a produção em muitas fábricas, incluindo algumas da Toyota, Honda e Sony.

Os prejuízos no setor agrícola estão estimados em 135.800 milhões de ienes (1,12 milhões de euros), segundo as autoridades locais.

Também 173 escolas estiveram fechadas durante quase um mês e só reabriram esta semana.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.