sicnot

Perfil

Mundo

Potências mundiais dispostas a armar governo de unidade da Líbia

As potências mundiais reunidas em Viena para discutir a situação na Líbia afirmaram-se hoje dispostas a levantar o embargo e fornecer armas ao novo governo de unidade da Líbia para combater o Daesh.

As potências mundiais estão reunidas em Viena para discutir a situação na Líbia.

As potências mundiais estão reunidas em Viena para discutir a situação na Líbia.

© Leonhard Foeger / Reuters

"O Governo de Unidade Nacional manifestou a intenção de apresentar pedidos de exceção ao embargo de armas junto do comité de sanções à Líbia da ONU para adquirir as armas letais necessárias para combater grupos terroristas em todo o país. Vamos apoiar plenamente estes esforços", afirmam num comunicado 25 representantes mundiais.

O texto, lido à imprensa pelo chefe da diplomacia dos Estados Unidos, John Kerry, foi aprovado numa reunião em Viena sobre a instabilidade e a expansão do jihadismo na Líbia, e a ameaça que representam para a Europa.

A reunião é copresidida pelos Estados Unidos e pela Itália e conta com a participação de ministros dos Negócios Estrangeiros de mais de duas dezenas de países - incluindo a Rússia, Arábia Saudita, China, Egito, Tunísia, Alemanha, França e Reino Unido -, da chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, e do enviado especial da ONU para a Líbia, Martin Kobler.

A Líbia vive uma situação de caos desde a revolução de 2011 que depôs Muammar Kadhafi, com o apoio da NATO.

Em 2015, ao conflito político protagonizado por dois governos rivais juntou-se a entrada em território líbio do Daesh, que estabeleceu um bastião em Sirte, cidade natal de Kadhafi.

O recém-formado governo de unidade nacional, apoiado pela comunidade internacional, tem conseguido afirmar a sua autoridade na capital, Tripoli, mas não conseguiu o apoio do governo e parlamento rivais.

O primeiro-ministro do governo de unidade, Fayez al-Sarraj, apresentou hoje em Viena às potências mundiais uma lista de apoios - armamento, treino e informações - que considera necessários para a estabilização do país.

Com Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.