sicnot

Perfil

Mundo

Cinquenta mortos em confrontos entre grupos rebeldes perto de Damasco

Pelo menos 50 combatentes e dois civis morreram hoje em confrontos entre grupos rebeldes sírios a leste de Damasco, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Hussein Malla

Os combates decorrem há cerca de três semanas em Ghuta oriental, o maior bastião dos rebeldes na província de Damasco, entre o poderoso grupo de inspiração salafista Jaïch al-Islam e fações rivais lideradas pelo braço local da Al-Qaida.

Estes combates já mataram mais de 500 combatentes e uma dezena de civis em três semanas, segundo o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman.

Entre os civis mortos, está o único ginecologista e obstetra que ainda trabalhava em Ghuta oriental.

"Trata-se de uma verdadeira luta pelo poder", sublinhou Abdel Rahman, citado pela agência de notícias francesa AFP.

O Jaïch al-Islam é o principal grupo rebelde em Ghuta oriental, e um dos seus líderes políticos, Mohammed Alluche, foi nomeado chefe dos negociadores para as conversações de paz em Genebra com o regime do Presidente Bashar al-Assad, cuja última ronda, em abril, não representou qualquer avanço.

Mas esta formação enfrenta agora no terreno uma aliança que reúne as fações islamitas Faylaq al-Rahman, Jaïch al-Fustate e a Frente al-Nosra, braço da al-Qaida na Síria.

Habitantes e governantes locais tentaram mediações para pôr termo à violência e manifestaram-se em vão para conseguir o fim dos combates.

Hoje, um porta-voz do grupo Jaïch al-Islam afirmou que a sua formação estava disposta a pôr fim aos combates, em resposta a uma iniciativa do coordenador da oposição síria, Riad Hijab.

"Mas os nossos irmãos do Faylaq al-Rahman rejeitaram completamente esta iniciativa", sublinhou Islam Alluche em comunicado.

A insurreição armada contra o regime sírio está profundamente dividida entre muitos grupos 'jihadistas', islamitas e rebeldes moderados.

Desde o início da revolta contra o regime de Assad, em março de 2011, a guerra na Síria já fez mais de 270.000 mortos e milhões de deslocados.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.