sicnot

Perfil

Mundo

HRW critica limitações a manifestantes em Hong Kong durante visita de dirigente chinês

A associação de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch disse hoje que as autoridades de Hong Kong "limitaram fortemente" a oportunidade da população expressar as suas críticas durante a visita do "número três" do regime chinês.

© Paul Yeung / Reuters

A organização disse também que as autoridades locais deviam desafiar Zhang Dejiang a "assumir compromissos concretos para respeitar a autonomia de Hong Kong em matéria de direitos humanos e democracia".

Zhang Dejiang, que preside à Assembleia Nacional Popular, o Parlamento chinês, chegou na terça-feira a Hong Kong para uma visita de três dias, naquela que é a primeira deslocação de um importante responsável chinês ao território desde os protestos pró-democracia que paralisaram partes da cidade em 2014.

Zhang falou hoje de manhã num fórum económico e vai reunir-se com 10 deputados esta noite, incluindo quatro membros do campo pró-democrata.

Várias organizações pró-democracia convocaram uma marcha para hoje contra a crescente influência de Pequim, mas durante a manhã cerca de 100 pessoas já se manifestaram para pedir o "fim da ditadura", eleições livres e a libertação de Liu Xiaobo, o Nobel da paz chinês preso no interior da China.

Grupos rivais de manifestantes pró-China agitaram bandeiras nacionais e gritaram palavras de ordem.

O número de manifestantes era bastante inferior ao dos polícias destacados para a segurança da visita oficial.

Na terça-feira, a polícia deteve sete membros do partido pró-democracia Liga dos Sociais Democratas por colocarem faixas de protesto em espaços públicos, incluindo colinas e viadutos.

As estradas junto ao hotel onde Zhang está hospedado e o centro de convenções que acolhe a conferência económica foram isoladas por barricadas e os manifestantes encaminhados para áreas assinaladas, longe da vista.

Três pessoas, incluindo Nathan Law, do novo partido político Demosito, foram imobilizadas pela polícia, quando lançaram um protesto em Wan Chai, à passagem da comitiva de Zhang a caminho do Centro de Convenções e Exibições de Hong Kong (HKCEC, na sigla inglesa).

A visita de Zhang Dejiang ocorre numa altura em que aumenta a preocupação na região de que as liberdades possam estar em risco e em que a falta de reformas políticas gerou novos grupos que defendem a ideia da independência da cidade, um movimento condenado pelas autoridades em Hong Kong e Pequim.

Na terça-feira, à chegada a Hong Kong, Zhang prometeu ouvir as reivindicações políticas dos vários quadrantes da sociedade.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14