sicnot

Perfil

Mundo

EUA recusam proposta russa de bombardeamentos conjuntos na Síria

O Pentágono recusou hoje a proposta russa para bombardeamentos conjuntos contra grupos jihadistas na Síria, afirmando que os Estados Unidos "não colaboram" militarmente com a Rússia.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Não colaboramos e não nos coordenamos com os russos" nas operações militares na Síria, afirmou um porta-voz do Pentágono, o capitão-de-mar-e-guerra Jeff Davis.

O porta-voz explicou que os dois países têm objetivos diferentes nas respetivas operações militares em território sírio.

"As operações russas visam favorecer e apoiar o regime de Bashar al-Assad e nós estamos unicamente concentrados na derrota do Daesh", disse.

Davis disse ainda que não houve, até ao momento, qualquer proposta formal da Rússia sobre tais ataques conjuntos: "Vi as mesmas notícias que vocês, não nos foi apresentado nada de formal", disse.

O ministro da Defesa russo, Serguei Shoigu, afirmou hoje ter proposto aos Estados Unidos bombardeamentos conjuntos russos e norte-americanos contra grupos jihadistas na Síria a partir de 25 de maio, na próxima semana.

Shoigu precisou tratar-se de atacar a Frente al-Nosra, ramo sírio da Al-Qaida, e outros grupos armados ilegais que não apoiam a trégua na Síria.

A Rússia e os Estados Unidos, que copresidem ao Grupo Internacional de Apoio à Síria (International Syria Support Group, ISSG), afirmaram no princípio de maio a intenção de "redobrar esforços" para estender o cessar-fogo a todo o território sírio e alcançar uma solução política para o conflito.

A trégua, instaurada a 27 de fevereiro para facilitar negociações de paz, não abrange os grupos jihadistas.

Com Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44