sicnot

Perfil

Mundo

Israel entrega ao Egipto relíquias faraónicas que entraram no país ilegalmente

O Ministério das Relações Exteriores de Israel entregou ao embaixador egípcio em Telavive duas relíquias antigas que remontam aos tempos faraónicos e que entraram ilegalmente no país, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores refere que se trata de duas tampas de sarcófagos egípcios, uma datada entre os séculos X e XVII antes de Cristo (a.C.) e a outra entre os séculos CVI e XIV a.C..

Estas antiguidades foram roubadas do Egipto e introduzidas clandestinamente num país terceiro antes de chegarem a Israel, onde foram confiscadas pela Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA).

O diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Dore Ouro, manifestou confiança de que a entrega dos objetos antigos impulsione a cooperação bilateral no domínio do património histórico, bem como em outros campos de interesses comum para o benefício de ambos os países.

Por sua vez, o embaixador do Egipto em Telavive, Hazem Khairat, destacou os esforços feitos pelas autoridades de Israel em devolver os objetos ao local de origem, esperando que seja transferido o resto das antiguidades egípcias introduzidas ilegalmente em Israel.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.