sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede redução para metade do número de deslocados internos até 2030

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu esta segunda-feira que os países "compartilhem um futuro diferente", de forma a reduzir para metade o número de deslocados internos até 2030.

Sede das Nações Unidas em Nova Iorque, EUA

Sede das Nações Unidas em Nova Iorque, EUA

© Carlo Allegri / Reuters

"Estamos aqui para compartilhar o nosso futuro diverso. Declaramos que somos uma humanidade com responsabilidades compartilhadas", declarou Ban Ki-moon em Istambul, no seu discurso de inauguração da primeira cimeira humanitária.

O líder da ONU recordou que "o futuro se pode destruir em segundos", por guerras ou catástrofes gerais, e alertou que uma geração de jovens sente que perdeu o seu caminho.

Além disso, incitou a melhorar a cooperação entre organizações internacionais e ONG (Organizações Não Governamentais) e fazer com que os fundos se canalizem de forma mais eficaz para as pessoas que deles necessitam.

Ban Ki-moon admitiu, não só proteger os civis, mas também reduzir o número de deslocados internos para metade até 2030, sob o lema "Não deixaremos ninguém para trás".

O secretário-geral destacou que se trata "não só de manter as pessoas com vida, mas também com vida e integridade", o que requer a construção de "comunidades estáveis".

O presidente da Turquia e anfitrião da cimeira, Recep Tayyip Erdogan, recordou que o seu país alberga já "três milhões de refugiados sírios e iraquianos" e garantiu que este "nunca fechará as portas a quem precise".

"Gastámos dez mil milhões de dólares (cerca de 8,9 mil milhões de euros) (cerca de 402 milhões de euros) para os refugiados e só recebemos 450 milhões da comunidade internacional", lamentou.

Altos representantes de 180 países, incluíndo 65 chefes de Estado ou de Governo, assim como numerosas ONG e empresas de âmbito humanitário participam na cimeira.

A chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, o português, António Costa, e o grego, Alexis Tsipras, têm discursos agendados para o plenário.

A conferência de dois dias, com 110 eventos paralelos à sessão plenária, celebra-se no complexo do palácio de congressos de Istambul, no centro da cidade.

Uma centena de empresas e organizações humanitárias, muitas delas com orientação islâmica, ocupam um espaço com postos informativos para dar a conhecer as suas atividades.

A primeira jornada termina hoje à noite, com um concerto da West-Eastern Divan Orchestra, integrada por jovens intérpretes árabes e israelitas.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28