sicnot

Perfil

Mundo

Obama recusa pedir desculpa por lançamento de bomba atómica em Hiroshima

O Presidente norte-americano não vai pedir desculpa pelo ataque nuclear em Hiroshima, durante a sua visita à cidade esta semana, disse Barack Obama numa entrevista à emissora pública japonesa NHK.

Presidente dos EUA, Barack Obama

Presidente dos EUA, Barack Obama

© Jim Young / Reuters


Questionado sobre se um pedido de desculpas será incluído no seu discurso, o chefe de Estado disse: "Não, porque acho que é importante reconhecer que no meio da guerra os líderes tomam todo o tipo de decisões. É o trabalho dos historiados fazer perguntas e examiná-las, mas como alguém que ocupa esse lugar há sete anos e meio, sei que todos líderes tomam decisões muito difíceis, particularmente durante tempos de guerra".

Obama será o primeiro Presidente norte-americano no ativo a visitar Hiroshima, onde foi lançada a primeira bomba atómica a 06 de agosto de 1945, matando cerca de 140 mil pessoas.

Dezenas de milhares morreram na explosão e muitos outros mais tarde devido a ferimentos e doenças causadas pela radiação.

A cidade de Nagasaki foi atingida por uma segunda bomba três dias depois, matando 74 mil pessoas.

LusaPresidente dos E

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.