sicnot

Perfil

Mundo

Líderes estudantis de Hong Kong boicotam vigília de Tiananmen pela primeira vez

Os líderes estudantis de Hong Kong vão, pela primeira vez, estar ausentes da vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, há 27 anos, avança hoje a imprensa local.

Vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, 4 de junho de 2014.

Vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, 4 de junho de 2014.

© Paul Yeung / Reuters

Quebrando uma tradição de várias décadas, a Federação de Estudantes de Hong Kong, o grupo estudantil mais antigo que coliderou o movimento Occupy Central em 2014, não vai enviar representantes para falarem no palco durante o evento que ocorre no Victoria Park a 04 de junho, segundo o jornal South China Morning Post.

A Federação decidiu, no mês passado, romper com os organizadores, a Aliança de Hong Kong de Apoio dos Movimentos Democráticos Patrióticos da China. O líder do grupo de estudantes indicou que alguns dos membros consideram que não devem apoiar um dos principais objetivos da Aliança, a "construção de uma China democrática", devendo focar-se no desenvolvimento democrático da cidade.

A alteração foi confirmada na segunda-feira pelo presidente da Aliança, Albert Ho, que disse respeitar a opção dos estudantes, apesar de a lamentar.

"A Federação tem sido pioneira e a consciência de todo o movimento. Por isso, agora que os estudantes desistiram, não posso dizer que não esteja triste", afirmou.

Um crescente número de jovens e grupos 'localistas' têm apelado, nos últimos anos, ao boicote da vigília no Victoria Park, incentivando a participação em eventos alternativos. Alguns argumentam que o desenvolvimento democrático da China é algo que não lhes diz respeito, enquanto outros se manifestam insatisfeitos com o ritual da vigília.

Os líderes estudantis da Universidade de Hong Kong vão, este ano, organizar um evento em separado no seu próprio campus para assinalar o massacre, enquanto membros de mais de dez outras instituições de ensino superior da cidade vão reunir-se na Universidade Chinesa na noite de 04 de junho para abordar o futuro de Hong Kong depois de 2047, quando expira o princípio "Um país, dois sistemas".

"Achamos que ter mais eventos em Hong Kong passa uma imagem mais forte para Pequim", disse Paul Liu Chun-sing, vice-presidente externo da associação de estudantes da Universidade Shue Yan, afirmando que os representantes estudantis concordaram em não cantar o slogan "construindo uma China democrática".

Albert Ho manifestou o desejo de Hong Kong se manter unida para a ocasião: "Nunca na história humana centenas de milhares de pessoas se reuniram no mesmo local, na mesma data, para fazer a mesma exigência contra ditadura".

"A concentração de 04 de junho no Victoria Park tem um significado simbólico", disse.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.