sicnot

Perfil

Mundo

Líderes estudantis de Hong Kong boicotam vigília de Tiananmen pela primeira vez

Os líderes estudantis de Hong Kong vão, pela primeira vez, estar ausentes da vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, há 27 anos, avança hoje a imprensa local.

Vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, 4 de junho de 2014.

Vigília anual em memória do massacre de Tiananmen, 4 de junho de 2014.

© Paul Yeung / Reuters

Quebrando uma tradição de várias décadas, a Federação de Estudantes de Hong Kong, o grupo estudantil mais antigo que coliderou o movimento Occupy Central em 2014, não vai enviar representantes para falarem no palco durante o evento que ocorre no Victoria Park a 04 de junho, segundo o jornal South China Morning Post.

A Federação decidiu, no mês passado, romper com os organizadores, a Aliança de Hong Kong de Apoio dos Movimentos Democráticos Patrióticos da China. O líder do grupo de estudantes indicou que alguns dos membros consideram que não devem apoiar um dos principais objetivos da Aliança, a "construção de uma China democrática", devendo focar-se no desenvolvimento democrático da cidade.

A alteração foi confirmada na segunda-feira pelo presidente da Aliança, Albert Ho, que disse respeitar a opção dos estudantes, apesar de a lamentar.

"A Federação tem sido pioneira e a consciência de todo o movimento. Por isso, agora que os estudantes desistiram, não posso dizer que não esteja triste", afirmou.

Um crescente número de jovens e grupos 'localistas' têm apelado, nos últimos anos, ao boicote da vigília no Victoria Park, incentivando a participação em eventos alternativos. Alguns argumentam que o desenvolvimento democrático da China é algo que não lhes diz respeito, enquanto outros se manifestam insatisfeitos com o ritual da vigília.

Os líderes estudantis da Universidade de Hong Kong vão, este ano, organizar um evento em separado no seu próprio campus para assinalar o massacre, enquanto membros de mais de dez outras instituições de ensino superior da cidade vão reunir-se na Universidade Chinesa na noite de 04 de junho para abordar o futuro de Hong Kong depois de 2047, quando expira o princípio "Um país, dois sistemas".

"Achamos que ter mais eventos em Hong Kong passa uma imagem mais forte para Pequim", disse Paul Liu Chun-sing, vice-presidente externo da associação de estudantes da Universidade Shue Yan, afirmando que os representantes estudantis concordaram em não cantar o slogan "construindo uma China democrática".

Albert Ho manifestou o desejo de Hong Kong se manter unida para a ocasião: "Nunca na história humana centenas de milhares de pessoas se reuniram no mesmo local, na mesma data, para fazer a mesma exigência contra ditadura".

"A concentração de 04 de junho no Victoria Park tem um significado simbólico", disse.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.