sicnot

Perfil

Mundo

Manifestantes belgas dispersados com canhões de água

A polícia belga disparou hoje canhões de água sobre manifestantes na sequência de confrontos com a polícia, no final de uma marcha sindical contra o aumento do horário laboral no país, de acordo com a imprensa local.

© Eric Vidal / Reuters

As autoridades dispersaram um grupo de uma centena de pessoas que, de cara tapada, se envolveu em confrontos com a polícia, de que resultaram dois agentes e alguns manifestantes feridos sem gravidade.

Os confrontos ocorreram no final de uma marcha que, segundo a polícia federal juntou 37.500 pessoas, segundo os sindicatos 50.000 e segundo a polícia local 60.000, em protesto contra medidas de austeridade do governo de Charles Michel -- especialmente a proposta de aumento do horário de trabalho para as 45 horas semanais, a chamada lei Peeters.

A manifestação partiu pelas 11:30 (10:30 de Lisboa) da Gare do Nord, na direção da do Midi, onde ocorreram os distúrbios.

Segundo dados dos sindicatos, a manifestação de hoje contou com metade da adesão da de outubro de 2015, em que participaram 100 mil pessoas.


Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.