sicnot

Perfil

Mundo

Manifestantes lançaram pedras contra a polícia em comício de Trump no Novo México

Manifestantes lançaram na terça-feira pedras e garrafas contra a polícia que protegia o centro de convenções de Albuquerque (Novo México) onde Donald Trump, o aspirante candidato republicano às presidenciais norte-americanas, falou num comício.

© Jonathan Ernst / Reuters

A polícia informou sobre o incidente na sua conta de Twitter, negando informações avançadas pela imprensa, de que os agentes teriam recorrido a gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes ou realizado disparos nos arredores do centro de convenções.

Imagens das estações de televisão mostram centenas de manifestantes que passaram as barras metálicas colocadas pela polícia e atearam alguns fogos na rua, muitos deles com bandeiras do México.

Uma porta de vidro do centro de convenções partiu-se com o impacto das pedras e os assistentes de Trump tiveram de utilizar saídas secundárias para abandonar o local porque a porta principal estava bloqueada por manifestantes.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.