sicnot

Perfil

Mundo

Polícia belga detém e indicia quatro suspeitos por atividades terroristas

A polícia federal belga deteve hoje quatro pessoas em diversas regiões da Flandres, indiciadas de atividades terroristas por tentativa de recrutamento de combatentes para a Síria ou Líbia e relacionou-as com a preparação de ataques na Bélgica.

© Yves Herman / Reuters

"Na base dos resultados provisórios da investigação, pode afirmar-se que teria havido projetos de atentados na Bélgica", indicou a procuradoria federal em comunicado, em que precisa que as investigações são independentes do processo dos atentados de 22 de março no aeroporto e metro de Bruxelas, que provocaram 32 mortos.

A procuradoria acrescentou que "de momento não existe qualquer vinculação" entre esta investigação e a dos acontecimentos de 22 de março.

O ministério público explicou que, no âmbito de um recurso sobre terrorismo, a polícia federal de Amberes executou oito mandados de investigação a pedido de um juiz de instrução de Malines.

A ação policial implicou a detenção de quatro pessoas. Uma ficou detida, a outra foi aplicada pulseira eletrónica e as duas restantes ficaram em liberdade "sob estritas condições", precisou a procuradoria.

No decurso das buscas "não foram encontradas armas ou explosivos", referiram os mesmos responsáveis.

A procuradoria indiciou-as no entanto por "participarem em atividades de um grupo terrorista" e assinalou que os detidos são "suspeitos de pretenderem recrutar" pessoas para viajarem atá zonas de conflito na Síria ou Líbia e que alguns "tinham a intenção de partir por si próprios e unir-se ao Daesh".

Com Lusa

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.