sicnot

Perfil

Mundo

Turistas britânicos viajam para Espanha, Portugal e Chipre para fugir de terrorismo

Os turistas britânicos estão a virar-se para Espanha, Portugal e Chipre para passar as férias de verão devido ao risco de terrorismo no Egito e na Tunísia, segundo dados da Associação de agências de viagens britânica (Abta).

Segundo a Abta, as reservas para Portugal estão em alta, mais 29% do que no verão de 2015, e as que têm como destino Espanha e Chipre a subir 26% e 18%, respetivamente.

Itália e Malta, com aumentos de 12% e 5%, e em menor medida a França, com um acréscimo de 1%, também estão a ser beneficiadas com um aumento das reservas.

"Uma queda das reservas para destinos tradicionalmente muito populares que são a Tunísia e o Egito, depois dos ataques terroristas e a alteração das recomendações de deslocações do Ministério dos Negócios Estrangeiros, deu lugar a um aumento da popularidade do Mediterrâneo ocidental em particular", indica a Abta.

A associação sublinha que ainda "há disponibilidade na Grécia" e que uma "queda geral do número de visitantes na Turquia também a torna numa opção" para os turistas que ainda não reservaram as férias.

A Tunísia foi alvo de dois ataques terroristas no ano passado, designadamente no museu do Bardo em Tunes em março (22 mortos) e num hotel de Sousse em junho (38 mortos, incluindo 30 britânicos).

No Egito, na sequência do desastre do Airbus A321 da companhia russa Metrojet no final de outubro (224 mortos) reivindicado pela organização Daesh do Estado Islâmico (EI), todos os voos a partir do Reino Unido com destino à estação balnear do Mar Vermelho, Sharm el-Sheikh, foram suspensos.

A Turquia também foi alvo nos últimos meses de uma inédita série de ataques atribuídos aos 'jihadistas', como o que matou 12 turistas alemães em janeiro em Istambul, ou aliados à retomada do conflito curdo.

Em 2015, o primeiro destino para os turistas britânicos foi Espanha, seguida por França, Estados Unidos, Itália e Portugal.

Com Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.