sicnot

Perfil

Mundo

Polícia brasileira deteve um dos suspeitos da violação coletiva de adolescente

Um dos suspeitos da violação coletiva de uma adolescente brasileira de 16 anos numa favela do Rio de Janeiro foi detido este sábado, na sequência de uma operação que mobilizou 70 polícias militares.

Felipe Dana

Segundo a agência de notícias France Presse, que cita a direção da Polícia Militar, o suspeito, cuja identidade não foi revelada, foi levado para a esquadra para ser interrogado, enquanto a polícia continuava a operação na favela São José Operário (zona Oeste), à procura também de droga e carros roubados.

A violação da adolescente por mais de 30 homens no Rio de Janeiro consternou o Brasil e desencadeou uma série de condenações nas redes sociais, incluindo da Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff, e do Governo interino.

Segundo as declarações da jovem, ela foi violada por 33 homens armados, que depois publicaram nas redes sociais vídeos e fotos do crime. A violação terá ocorrido entre sábado e domingo da semana passada, mas só chegou ao conhecimento público na quarta-feira.

"Aqueles que cometeram este crime hediondo serão encontrados, presos e condenados", prometeu, na sexta-feira, o ministro da Justiça, Alexandre de Morais, em conferência de imprensa.

No entanto, nesse mesmo dia, a polícia acabou por libertar três dos suspeitos, tendo o comissário encarregado do caso, Alessandro Thiers, justificado que a investigação ainda estava a decorrer com vista a determinar se a jovem teria ou não consentido, se estava ou não drogada e se os factos tinham efetivamente ocorrido.

O advogado da jovem pediu a substituição imediata do comissário, denunciando que ele chegou a perguntar à adolescente se ela costumava participar em orgias, adianta o site G1 Globo.

Entretanto, foram organizadas várias manifestações públicas de apoio à jovem, que decorreram na sexta-feira, tanto no Rio de Janeiro, como em São Paulo.

"Meu corpo não é para você" ou "Eu gosto de decotes, mas isso não é um convite à violação" eram algumas das frases que podiam ser lidas entre mensagens empunhadas por centenas de manifestantes.

A France Presse refere que a jovem de 16 anos foi descrita pela imprensa brasileira como sendo uma toxicodependente.

A adolescente é mãe de uma criança de três anos e, segundo a família, foi vítima de um ato de vingança por parte de um namorado que a atraiu para uma armadilha, drogou e violou e depois a deixou com o grupo de mais de 30 homens para realizarem a violação em grupo.

O caso abriu um debate no Brasil sobre a chamada "cultura da violação" e provocou numerosas críticas, dentro e fora das redes sociais, contra a "sociedade machista".

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma mulher é violada a cada 11 minutos no país e, em 2014, 47.636 pessoas sofreram uma agressão sexual.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.