sicnot

Perfil

Mundo

Empresa chinesa pede desculpa por anúncio considerado racista

Um fabricante chinês de detergente pediu desculpa, depois de ter sido criticado na imprensa internacional e redes sociais por um anúncio em que um homem negro converte-se num chinês após ser "lavado" numa máquina de lavar roupa.

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa que o coloca numa máquina de lavar. Momentos depois, um chinês emerge da máquina.

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa que o coloca numa máquina de lavar. Momentos depois, um chinês emerge da máquina.

youtube

A companhia de Cosméticos Leishang, que tem sede em Xangai, esclareceu que condena a descriminação racial, e lamentou a "amplificação" negativa dada pela imprensa.

Na semana passada, a firma culpou a "hipersensibilidade" ocidental pela polémica.

"A ideia era recorrer ao exagero artístico para fazer comédia. Não tínhamos intenção de descriminar (...) mas não nos desresponsabilizamos pelo seu controverso conteúdo", disse o grupo, num comunicado citado hoje pela imprensa oficial.

Na mesma nota, a Leishang pede desculpa "pelo dano causado ao povo africano e pela difusão e amplificação feita pela imprensa".

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa, que lhe assobia e pisca o olho.

O homem aproxima-se e tenta beijar a mulher, que no último momento se esquiva e lhe enfia uma cápsula de detergente para a roupa "Qiaobi" na boca, forçando-o para dentro da máquina de lavar.

Momentos depois, um chinês emerge da máquina, arrancando risos de entusiasmo à mulher.

Em declarações ao jornal oficial China Daily, Liu Junhai, professor de lei civil e comercial na Universidade Renmin, em Pequim, disse que o anúncio reflete a falta de consciência sobre questões raciais na China.

"As marcas chinesas deviam manter-se alerta devido à rápida propagação nas redes sociais", afirmou, acrescentando que a sensibilidade sobre questões raciais entre anunciantes e o público na China não é tão elevada como nos países ocidentais.

O jornal oficial Global Times preferiu apontar o "excesso de sensibilidade" dos órgãos de comunicação estrangeiros.

Uma chinesa questionada pela agência Lusa sobre o mesmo anúncio, limitou-se a dizer que não entendia como é que "em vez de um homem loiro e branco, é um chinês que sai da máquina de lavar roupa".

Em Pequim, é frequente os anúncios de emprego para professores de inglês - ocupação de boa parte dos estrangeiros radicados na cidade - darem preferência a pessoas de pele clara e excluírem, explicitamente, africanos.

Neste caso, porém, os anúncios excluem também candidatos com feições asiáticas - mesmo se nativos de inglês - ilustrando o prestígio que a pele clara exerce na sociedade chinesa.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.