sicnot

Perfil

Mundo

Empresa chinesa pede desculpa por anúncio considerado racista

Um fabricante chinês de detergente pediu desculpa, depois de ter sido criticado na imprensa internacional e redes sociais por um anúncio em que um homem negro converte-se num chinês após ser "lavado" numa máquina de lavar roupa.

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa que o coloca numa máquina de lavar. Momentos depois, um chinês emerge da máquina.

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa que o coloca numa máquina de lavar. Momentos depois, um chinês emerge da máquina.

youtube

A companhia de Cosméticos Leishang, que tem sede em Xangai, esclareceu que condena a descriminação racial, e lamentou a "amplificação" negativa dada pela imprensa.

Na semana passada, a firma culpou a "hipersensibilidade" ocidental pela polémica.

"A ideia era recorrer ao exagero artístico para fazer comédia. Não tínhamos intenção de descriminar (...) mas não nos desresponsabilizamos pelo seu controverso conteúdo", disse o grupo, num comunicado citado hoje pela imprensa oficial.

Na mesma nota, a Leishang pede desculpa "pelo dano causado ao povo africano e pela difusão e amplificação feita pela imprensa".

O anúncio mostra um homem negro, envergando roupas sujas com marcas de tinta, a ser seduzido por uma jovem chinesa, que lhe assobia e pisca o olho.

O homem aproxima-se e tenta beijar a mulher, que no último momento se esquiva e lhe enfia uma cápsula de detergente para a roupa "Qiaobi" na boca, forçando-o para dentro da máquina de lavar.

Momentos depois, um chinês emerge da máquina, arrancando risos de entusiasmo à mulher.

Em declarações ao jornal oficial China Daily, Liu Junhai, professor de lei civil e comercial na Universidade Renmin, em Pequim, disse que o anúncio reflete a falta de consciência sobre questões raciais na China.

"As marcas chinesas deviam manter-se alerta devido à rápida propagação nas redes sociais", afirmou, acrescentando que a sensibilidade sobre questões raciais entre anunciantes e o público na China não é tão elevada como nos países ocidentais.

O jornal oficial Global Times preferiu apontar o "excesso de sensibilidade" dos órgãos de comunicação estrangeiros.

Uma chinesa questionada pela agência Lusa sobre o mesmo anúncio, limitou-se a dizer que não entendia como é que "em vez de um homem loiro e branco, é um chinês que sai da máquina de lavar roupa".

Em Pequim, é frequente os anúncios de emprego para professores de inglês - ocupação de boa parte dos estrangeiros radicados na cidade - darem preferência a pessoas de pele clara e excluírem, explicitamente, africanos.

Neste caso, porém, os anúncios excluem também candidatos com feições asiáticas - mesmo se nativos de inglês - ilustrando o prestígio que a pele clara exerce na sociedade chinesa.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.