sicnot

Perfil

Mundo

França autoriza tansferência de esperma para inseminação post mortem

O Conselho de Estado francês decidiu hoje a favor de uma viúva espanhola, permitindo a transferência para Espanha do esperma congelado do marido, que morreu no ano passado, para inseminação post mortem, uma prática proibida na França.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Regis Duvignau / Reuters

O supremo tribunal de justiça administrativo comunicou hoje que ordena a tomada "de todas as medidas necessárias para permitir a exportação dos gâmetas para a Espanha".

Aurélie Bretonneau, conselheira de Estado, estava a favor desde o início do processo, dada a "situação excecional" e o órgão judicial adotou a mesma posição.

Não permitir a transferência seria um "atentado manifestamente excessivo ao direito e respeito pela vida privada e familiar" de Marianna Gonzalez-Gomez-Turri , comunicou o Conselho do Estado.

Um dos advogados da viúva manifestou o seu agrado: "Estamos extremamente satisfeitos com a decisão. Queremos a transferência dos gâmetas no prazo mais curto e nas melhores condições possíveis", disse David Simhon.

A espanhola e o seu marido italiano moravam em Paris.

O marido de Marianna tinha cancro e mandou congelar gâmetas porque a quimioterapia que ia fazer o iria deixar estéril. Acabou por morrer em julho de 2015.

Marianna Gonzalez-Gomez-Turri recorreu a outro tribunal para pedir a transferência do esperma congelado para Espanha, onde a inseminação post mortem é legal ao fim de um ano da morte, mas viu o seu pedido ser rejeitado.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão