sicnot

Perfil

Mundo

Polónia reinicia processo de extradição de Roman Polanski para os EUA

A Polónia recomeçou o processo para extraditar o cineasta Roman Polanski para os Estados Unidos, para enfrentar a sentença de um caso de violação que remonta a 1977.

Cineasta Roman Polanski.

Cineasta Roman Polanski.

© Agencja Gazeta / Reuters

O ministro da Justiça polaco, Zbigniew Ziobro, disse à rádio pública do país que iria recorrer ao Tribunal Supremo para anular a decisão anterior de que Polanski não deveria ser extraditado.

A extradição do cineasta franco-polaco Roman Polanski para os Estados Unidos, onde foi acusado de abuso sexual de uma menor em 1977, na Califórnia, foi definitivamente recusada pela justiça polaca no final de novembro do ano passado.

Em janeiro de 2015, os Estados Unidos solicitaram à Polónia um pedido de extradição de Roman Polanski, que vive em França, após uma aparição pública em Varsóvia do realizador de "Repulsa", "Baile dos Vampiros", "O Inquilino", "Rosemary's Baby ou "Tess".

A lei polaca estipula que um tribunal tem poderes para deliberar sobre um pedido de extradição. Uma recusa, confirmada após um eventual apelo de uma das partes perante uma instância superior, encerra o caso em definitivo. Em caso de aprovação, a decisão final pertence ao Ministério da Justiça.

Em 1977, na Califórnia, Roman Polanski, então com 43 anos, foi perseguido judicialmente por ter alegadamente violado Samantha Geimer, na altura com 13 anos.

Após 42 dias de prisão, seguida da sua libertação sob caução, o cineasta que se reconheceu culpado de "relações sexuais ilegais" com uma menor, abandonou os Estados Unidos antes do anúncio do veredito, por recear uma pesada condenação, que poderia atingir os 50 anos de cadeia.

A linha de defesa dos advogados polacos consistiu em demonstrar que o pedido de extradição não tinha fundamento devido ao anterior acordo entre o cineasta e a justiça norte-americana.

Na perspetiva dos advogados e nos termos deste acordo, aceite pelo procurador e pelos advogados da vítima, a pena prevista teria sido cumprida pelo seu cliente.

Lusa

  • Roman Polanski não será extraditado para os EUA após caso de abuso de menor
    0:34

    Cultura

    O realizador de cinema Roman Polanski mostrou-se esta sexta-feira muito feliz com a decisão da Justiça polaca de não o extraditar para os Estados Unidos. O tribunal de Cracóvia considerou que as autoridades norte-americanas violaram, de forma grave, as regras de um julgamento imparcial, no caso que resultou na condenação de Polanski por abuso sexual de uma menor, há quase 40 anos, na Califórnia. Na altura, depois de 42 dias detido, Polanski saiu sob caução e fugiu dos Estados Unidos. Agora, aos 82 anos, diz que o pesadelo finalmente acabou.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.