sicnot

Perfil

Mundo

Presidente venezuelano processa judicialmente o parlamento por "traição à pátria"

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou hoje que vai processar judicialmente a direção do parlamento por "traição à pátria" e por usurpar as funções do Chefe de Estado.

© Handout . / Reuters

Em causa está a decisão do parlamento de Caracas de solicitar à Organização de Estados Americanos (OEA) que ative a Carta Democrática para a Venezuela, reforçando as sanções contra o país.

"O que fez Ramos Allup (presidente do parlamento) é crime. Como presidente da Assembleia Nacional, pediu uma intervenção estrangeira para os assuntos internos da Venezuela. Pretendeu 'abrogarse' (atribuir-se faculdades para abolir algo de maior hierarquia) as relações internacionais do país, que são exclusividade constitucional do Chefe de Estado, que se chama Nicolás Maduro", disse.

Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante um ato com motociclistas afetos ao seu regime, que foi transmitido em simultâneo e de maneira obrigatória pelas rádios e televisões do país.

"Estou obrigado, pela Constituição, a cumprir e fazer cumprir a Constituição do país", vincou.

Por outro lado, explicou que pedirá na quarta-feira ao Ministério de Relações Exteriores e à Procuradoria-Geral da República para iniciar um processo judicial contra a direção do parlamento por usurpar funções exclusivas do Presidente.

Maduro disse querer "um julgamento histórico, que se transmita a toda a nação, para demonstrar não só a usurpação de funções mas também a traição da pátria, na qual incorreu a Assembleia Nacional".

Nicolás Maduro destacou ainda que é a primeira vez que um setor político interno pede uma intervenção na Venezuela.

O secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luís Almagro, solicitou hoje a ativação da Carta Democrática Interamericana, na Venezuela, iniciando um processo que poderá levar à suspensão daquele país como membro daquele organismo.

A iniciativa dá sequência a um pedido formalizado, a 19 de maio último, pelo parlamento venezuelano, para que aquele organismo ativasse a Carta para a Venezuela, face à crise social e política do país.

O Chefe de Estado reagiu também ao pedido de Luís Almagro, chamando o povo à rebelião contra alegadas ameaças internacionais.

"A Venezuela respeita-se, e ninguém vai aplicar nenhuma Carta à Venezuela, de qualquer tipo que a queiram chamar. Apelo à rebelião nacional perante as ameaças internacionais", disse.

Por outro lado, frisou ainda que irá "responder à canalha internacional que pensa que intimidará a Venezuela".

"A Carta Democrática, pode pô-la (Luís Almagro) num tubo bem fino e meter a sua Carta Democrática por onde lhe couber, Almagro" disse, acusando o secretário da OEA de fazer parte dos ataques da oligarquia mundial e do imperialismo contra o seu Governo.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.