sicnot

Perfil

Mundo

Zoo defende morte de gorila após queda de menino

O diretor do Jardim Zoológico de Cincinnati, nos Estados Unidos, defende a decisão de matar um gorila, depois de um menino de 4 anos ter caído, no sábado, na fossa que separa o público do espaço onde se encontrava o animal. A morte de “Harambe” está a ser muito criticada, sobretudo por tratar-se de um elemento de uma espécie ameaçada.

reuters

reuters

reuters

reuters

O diretor do zoo, Thane Maynard, reitera que a decisão de abater o gorila - de nome "Harambe" - foi a correta, uma vez que o animal estava agitado e poderia ter matado a criança.

"Olhando para trás, teríamos tomado a mesma decisão", afirmou.

O menino, de 4 anos, saltou o muro de um metro que o separava do espaço onde estava o gorila e entrou dentro do recinto. O gorila agarrou por alguns momentos na criança pelo tornozelo, de forma bastante agitada, o que levou o zoo a abater o animal. O menino está a salvo, mas o acidente está a provocar um rol de reações.

Mais de 200 mil pessoas já assinaram uma petição no site Change.org, em protesto contra o abate do animal. Exigem "Justiça para Harambe" e apelam às autoridades policiais para que responsabilizem os pais da criança.

Com velas acesas e cartazes com a mensagem "Descansa em paz", dezenas de pessoas fizeram uma vigília à porta do zoo.

"A vida da criança estava em perigo. No final do dia, a responsabilidade é dos pais, de mais ninguém", afirmou Vanessa Hammonds, uma das participantes.

A mãe da crianca identificou-se como Michelle Greg. Escreveu uma mensagem no Facebook a pedir que a não julguem porque "os acidentes acontecem".

O diretor do zoo explica que o gorila não estaria a pôr em perigo o menino, apenas a magoá-lo.

"O gorila estava agitado, claramente desorientado", disse, lamentando a morte de um "magnífico animal".

Milhares de mensagens de apoio, de todo o mundo, chegaram ao jardim zoológico.

Por outro lado, o zoo está a ser questionado sobre a segurança do muro de separação - de apenas um metro.

"As barreiras são seguras, excedem os protocolos. O problema das barreiras é que, seja ela qual for, algumas pessoas conseguem passá-las. Não, o zoo não foi negligente", declarou Thane Maynard.

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.