sicnot

Perfil

Mundo

Ataques aéreos matam 42 civis no norte da Síria

Pelo menos 42 civis foram mortos hoje no norte da Síria em consequência de bombardeamentos da força aérea síria, da aviação russa e da coligação internacional liderada pelos EUA, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH).

(Arquivo SIC)

(Arquivo SIC)

SIC

Os ataques da força aérea síria mataram 15 civis na província de Idlib e os bombardeamentos da força aérea russa e das forças do regime sírio fizeram 11 mortos na província de Alepo, de acordo com a mesma fonte, citada pela agência France Presse.

Sete das pessoas vítimas dos ataques das forças do regime viajavam num autocarro na estrada de Castello, uma via utilizada pelas forças rebeldes que controlam parte da cidade dividida de Alepo, de acordo com o diretor da OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Seis civis foram mortos em resultado de operações levadas a cabo pela coligação internacional na localidade de Minbej (província de Alepo) e outros 10 morreram na cidade de Raqa, capital da província homónima, ambos os locais nas mãos dos 'jihadistas' do grupo extremista Estado Islâmico (EI), ainda de acordo com a OSDH.

O Centcom, o comando militar norte-americano no Médio Oriente, anunciou hoje que a coligação internacional levou a cabo 18 bombardeamentos de posições do EI em Minbej.

Na terça-feira, as Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança arábio-curda apoiada pela coligação internacional, lançou uma ofensiva destinada a retomar Minbej, segundo a OSDH

A guerra na Síria fez já mais de 280 mil mortos e provocou a deslocação de vários milhões de pessoas desde 2011.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18